Florestas

Sem florestas não tem água...

É preciso ter políticas públicas urgentes para restaurar a capacidade hídrica das nascentes e rios em todos os municípios do Brasil. Está na hora da realização de seminários, estudos, campanhas e, principalmente, práticas para o combate à falta de água e à sua prevenção. O problema está se consolidando gravemente e nada é feito. Se há dez anos atrás nos dissessem que o sistema Cantareira ia secar, será que acreditaríamos? A crise de água sem precedentes que atinge com força São Paulo nos...

Leia mais...

Quando a gestão da água vai entrar para o debate sobre o desenvolvimento do Brasil?

Elemento vital para a sociedade e a economia, a água ainda não ocupa um lugar estratégico no debate sobre o desenvolvimento do país. Mesmo detendo cerca de 12% de toda água doce superficial do planeta, o Brasil vem falhando na gestão deste recurso natural tão precioso. A gestão das águas não é discutida em profundidade pela sociedade brasileira e tampouco pelos tomadores de decisão. No entanto, não há momento mais oportuno do que este para olharmos a gestão de recursos hídricos no território...

Leia mais...

Agropecuarista defende mais florestas para combater falta d’água

As secas prolongadas que têm afetado diversos estados e levado à iminência de racionamento na maior cidade do país, São Paulo, não se resolverão só com a volta das chuvas. É preciso reflorestar as nascentes e margens dos rios para garantir um suprimento de água confiável e perene. O alerta não vem de setores ambientalistas, mas de um segmento durante muitos anos associado à derrubada das matas: os agropecuaristas. A segurança hídrica afeta não só as torneiras da população, mas coloca...

Leia mais...

Crescimento populacional leva à aquecimento e extinção

Demorou cerca de 200 mil anos para os humanos chegarem a uma população global de um bilhão. Mas, em duzentos anos, multiplicamos isso por sete. Na verdade, nos últimos 40 anos, acrescentamos um bilhão a mais a cada doze anos, aproximadamente. E as Nações Unidas preveem que acrescentaremos outros quatro bilhões – para um total de 11 bilhões – até o final do século. Apesar disso, poucos cientistas, legisladores ou mesmo ambientalistas estão dispostos a conectar publicamente o incrível...

Leia mais...

Como a Costa Rica virou um fenômeno verde mundial

Não é só no futebol que a Costa Rica surpreende. Com inovação, planejamento e boa gestão, este pequeno país da América Central mandou para escanteio uma das maiores taxas de desmatamento do mundo, transformando-se em exemplo de conservação ambiental e disputado destino de ecoturismo. Na década de 70, quase 80% da cobertura florestal da Costa Rica havia praticamente desaparecido para dar espaço à criação de gado para produção de carne bovina, que tinha como principal comprador (e financiador)...

Leia mais...

28 sinais de que o planeta está em perigo

Águas contaminadas, ar poluído, solo degradado, desequilíbrio ecológico, clima em transe...Os alertas são claros: o mundo agoniza — e nós também O dia 5 de junho foi o Dia Mundial do Meio Ambiente. Para nós, urbanoides, pode parecer algo distante e vago. Há tempos, a humanidade se distanciou da natureza a ponto de se julgar autosuficiente e independente do meio ambiente. Mas o ritmo das transformações pelas quais o mundo vem passando está se acelerando e seria um perigo ignorar isso. É...

Leia mais...

É possível produzir mais alimentos na Amazônia sem desmatar, diz estudo

CLIPPING É possível reduzir o desmatamento na Amazônia e, ao mesmo tempo, aumentar a produtividade de alimentos no país. Essa é a conclusão de um estudo divulgado nesta quinta-feira (5) pela revista “Science”, realizado pelo Instituto de Inovação da Terra e o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam). Os pesquisadores analisaram as taxas de desflorestamento do bioma brasileiro durante cerca de dez anos e a produção de soja e carne bovina na Amazônia Legal, que compreende todos os...

Leia mais...

Imprensa ainda ajuda a disseminar confusão sobre as mudanças climáticas

Levantamento em seis países mostra que oito em cada dez reportagens sobre o aquecimento global têm como pauta o ceticismo climático, apesar de a comunidade científica, em sua maioria, apoiar a teoria. * O jornalismo tem um papel muito importante na conscientização da sociedade sobre as consequências das mudanças climáticas ao “traduzir” estudos científicos para que os cidadãos saibam o que já está acontecendo ao seu redor e quais serão os impactos em suas vidas caso nada seja feito para...

Leia mais...

Brasil é o país mais perigoso para defender o direito à terra e ao meio ambiente

Em muitos casos, os direitos à terra não são reconhecidos pela lei nem na prática. Em muitos casos, os direitos à terra não são reconhecidos pela lei nem na prática. Defender os direitos ambientais é uma das atitudes mais arriscadas no nosso país. É o que mostra o relatório da ONG britânica Global Witness, que foi divulgado na última terça-feira (15). O documento que analisa casos de assassinatos relacionados à causa ambiental e fundiária registrou 448 mortes só no Brasil. O levantamento...

Leia mais...

Relatório: rios brasileiros tem baixa qualidade

Estudo divulgado pela organização SOS Mata Atlântica analisou a qualidade da água de 96 rios, córregos e lagos de 7 estados das regiões Sul e Sudeste e aponta que 41% desses cursos d’água foram classificados como ruins e péssimos. Apenas 11% dos rios e mananciais mostraram boa qualidade – todos eles localizados em áreas protegidas e que contam com matas ciliares preservadas. As principais fontes de poluição e contaminação, segundo a ONG, são decorrentes da falta de tratamento de esgoto...

Leia mais...

Os Dez Mandamentos do “Amigo do Planeta”

*Vilmar Berna 1 - Só Jogue Lixo no Lugar Certo É horrível quando a gente vê alguém jogando lixo no chão. As ruas, praças e qualquer logradouro público não são terra de ninguém, mas pertencem a todos. Você não jogaria lixo na casa de alguém, jogaria? Pois é, a rua pertence a todos, tem muitos donos. O lixo espalhado, além de atrair ratos, moscas, mosquitos, cria um aspecto horrível de poluição em sua cidade. E, depois, custa muito dinheiro de impostos para limpar, dinheiro que podia estar...

Leia mais...

7 milhões de mortes associadas à poluição

Cerca de 7 milhões de pessoas morreram em 2012 por exposição à poluição do ar, que se transformou no maior fator de risco ambiental para a saúde no mundo, alertou nesta terça-feira (25) a Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo os novos dados divulgados nesta terça-feira, uma em cada oito mortes naquele ano foi causada pela exposição à poluição do ar, dado que duplica números anteriores e confirma que a poluição do ar é agora o maior fator de risco ambiental para a saúde humana. Reduzir a...

Leia mais...

A erosão do sentido da vida e as manifestações de rua

“(...) nossos desafios ambientais, econômicos, políticos, sociais e espirituais estão interligados”; é esta interligação real mas, em parte inconsciente, que leva milhares às ruas querendo outro mundo possível e agora necessário. Está lentamente ficando claro que as massivas manifestações de rua ocorridas nos últimos tempos no Brasil e também pelo mundo afora, expressam mais que reivindicações puntuais, como uma melhor qualidade do transporte urbano, melhor saúde, educação, saneamento,...

Leia mais...

Educação Ambiental: “e eu com isso?”

De pouco adianta conhecermos sobre reciclagem e mudanças climáticas se não reaprendermos sobre o respeito nas relações humanas e sobre as consequências de nossas ações. Jeany Amorim Em pesquisa realizada sobre “Meio Ambiente” com 300 adolescentes entre 12 e 14 anos, foi possível perceber que mais de 95% dos meninos reconhecem como Meio Ambiente a fauna e a flora, a natureza, algo a ser preservado, mas do qual o ser humano não faz parte, apenas interage – mal, diga-se...

Leia mais...

Planeta entra em zona de perigo com a maior concentração de CO2 da história

A concentração de dióxido de carbono (CO2) na nossa atmosfera superou, pela primeira vez, a marca de 400 partes por milhão (ppm). Assim, a Terra está entrando em uma “zona de perigo”, advertiu a ONU “O mundo tem que acordar e perceber o que isto significa para a segurança dos seres humanos, para seu bem-estar e seu desenvolvimento econômico”, completa a secretaria executiva da entidade, Christiana Figueres, que destacou que “ainda existe uma oportunidade para evitar os piores efeitos da...

Leia mais...

Impactos negativos ao meio ambiente custam US$ 4,7 trilhões por ano

A iniciativa Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade, Teeb, calcula que os 100 principais fatores de impacto negativo ao meio ambiente custam, por ano, US$ 4,7 trilhões, ou mais de R$ 9 trilhões, para a economia mundial. A queima de carvão para geração de energia no leste da Ásia gera um gasto de US$ 453 bilhões por ano e lidera o ranking. Já a criação de gado na América do Sul é a segunda principal causa das perdas econômicas. O relatório da Teeb, parceira do Programa da ONU para o Meio...

Leia mais...

Avaliações econômicas subestimam impactos de mudanças climáticas

O economista Lorde Stern admite ter subestimado custos e riscos Lorde Stern publicou primeiro relatório com avaliação sistematizada de prejuízos e custos de adaptação à mudanças climáticas, conhecido como relatório Stern A mudança climática parece muito mais ameaçadora do que há seis anos, e o mundo marcha na direção de um aquecimento de 4 graus celsius até o fim do século em relação à era pré-industrial, declara o Lorde Nicholas Stern, professor de economia e diretor do Instituto Grantham...

Leia mais...

Mudanças climáticas afetam previsões astrológicas dos índios

As previsões que os índios da Amazônia brasileira fazem com a ajuda dos astros para determinar o melhor momento para plantar ou pescar, entre outras atividades, se veem afetadas pelas mudanças climáticas, segundo constatou um estudo realizado com diferentes etnias indígenas no Brasil. “Os xamãs passaram a se queixar que suas previsões estavam perdendo a exatidão e, a partir dessas indagações, descobrimos que alguns fenômenos provocados pelas mudanças climáticas afetavam seus cálculos”,...

Leia mais...

Catástrofes naturais e humanas custaram US$ 186 bi em 2012

As catástrofes naturais e humanas custaram US$ 186 bilhões em 2012, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira pela companhia de seguros suíça Swiss Re. As perdas seguradas chegaram a US$ 77 bilhões, fazendo de 2012 o terceiro ano mais caro na história dos seguros, informou o grupo suíço em um comunicado. O total é, no entanto, inferior ao de 2011, marcado por um número recorde de terremotos e também pelo tsunami que atingiu a costa do Japão. Em 2011, as perdas seguradas foram de US$...

Leia mais...

FMI pede o fim dos US$ 1,9 trilhão em subsídios para os combustíveis fósseis

28/03/2013 Segundo o estudo "Reforma nos Subsídios da Energia – Lições e Implicações" (Energy Subsidy Reform – Lessons and Implications), divulgado oficialmente nesta quarta-feira (27) pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), os países estão destinando anualmente quase 2,5% do PIB mundial para subsidiar os combustíveis fósseis, dinheiro que a entidade afirma seria mais bem empregado para garantir o crescimento sustentável e medidas de adaptação e mitigação às mudanças...

Leia mais...

Estudo sugere que aquecimento global está acelerando

27/03/2013 Algumas pesquisas recentes indicam que o aquecimento global estaria reduzindo seu ritmo nos últimos 15 anos e entrando em um equilíbrio, o que constantemente é usado pelos céticos climáticos para ‘aliviar’ a situação das mudanças climáticas. Mas um novo estudo aponta que, na verdade, o fenômeno não está diminuindo seu ritmo, mas sim acelerando. A análise mostra que a falsa impressão de que o aquecimento global estaria reduzindo é devido ao fato de que a maioria das pesquisas...

Leia mais...

Agricultores paulistas são remunerados para preservar florestas e rios

Um projeto de repasse de verbas a agricultores para que replantem a flora nativa e preservem os rios ganha força no interior paulista, em uma região antes dominada pela exuberante Mata Atlântica e que deu lugar ao pasto para pecuária, afetando a disponibilidade de água para milhões de pessoas. Com este objetivo, a cervejaria Ambev, a maior da América Latina, se associou à ONG The Nature Conservancy para desenvolver em Jaguariúna, a 130 quilômetros de São Paulo, um programa que assegure o...

Leia mais...

Avanço das lavouras sobre as florestas tropicais preocupa

Estudo em 128 países, incluindo no Brasil, aponta que entre 1999 e 2008 a expansão da agricultura foi responsável pela destruição de 4,8 milhões de hectares de florestas por ano Não é novidade para ninguém que o aumento em larga escala de grandes plantações está prejudicando e muito a conservação dos ecossistemas, e uma das maiores vítimas disso é a florestal tropical. E neste 21 de março, primeira comemoração do Dia Internacional das Florestas, uma nova pesquisa publicada no periódico PLoS...

Leia mais...

Clima precisa de menos discussões na ONU e mais ações de mercado, defende União Europeia

Menos conferências das Nações Unidas e mais incentivos através da precificação do carbono poderiam acelerar os esforços internacionais para reduzir o ritmo do aquecimento global, defende uma minuta da Comissão Europeia vista pela Reuters. As discussões sob a ONU ainda precisam se recuperar do desastre que foi a conferência de Copenhague em 2009, quando as negociações falharam e os encontros subsequentes foram altamente criticados por se arrastar semanas a fio e ainda assim evoluir pouco. A...

Leia mais...

Reservas de energia alternativa no Brasil e nos Estados Unidos podem ser maiores do que as de combustível fóssil

20/03/2013 Quando se compara as energias renováveis às fontes fósseis, é muito comum considerar a capacidade e a geração atuais das energias limpas, enquanto que em se tratando dos combustíveis fósseis, o usual é levar em consideração também a possível contribuição para as futuras décadas. De fato, é difícil mensurar e comparar o potencial entre renováveis e fósseis. Mas pela primeira vez, um novo estudo da Bloomberg New Energy Finance (BNEF) colocou o potencial de energias fósseis e...

Leia mais...