14/11/2007 Noticia AnteriorPróxima Noticia

O Grupo Nó Cego caminha para os 10 anos de atividades

O grupo Nó Cego foi formado em São Pedro da Serra em 1998 por Reinaldo Queiroz, Alessandra Monteiro e Rodrigo Garcia. Em nove anos de existência, o grupo já fez quase 700 shows, conquistando grande público, que reconhece o alto nível musical das suas apresentações. Em Nova Friburgo o Nó Cego tem um público cativo que acompanha de perto todos os passos do trabalho, de grande valor cultural.

O show do Friburgo Festival em julho de 2001 foi super aplaudido por mais de 10.000 pessoas, e em maio de 2002, o grupo teve o maior público de sua carreira, na importante Feira Agropecuária de Petrópolis. cerca de 35.000 pessoas. O grupo teve grandes momentos nos Festivais de Inverno do SESC Rio de Janeiro, evento de grande porte, onde o grupo em 2002fez um show histórico na abertura para Alceu Valença, sendo chamado ao camarim pelo grande mestre, que não economizou elogios ao grupo, além de tocado em 2004 no mesmo palco de Nando Reis.

O Nó Cego já se apresentou várias vezes no Rio de Janeiro, em casas de renome como Circo Voador, Rio Scenarium, Asa Branca, Ballroom, Rock`n Rio Café, e Carioca da Gema. Além de Alceu, grandes nomes da nossa música já teceram elogios ao som original do grupo, como Zélia Duncan, Geraldo Azevedo, Bráulio Tavares (parceiro mais constante de Lenine), e Cássia Eller, que acompanhou o trabalho desde o seu início, e já deu até “canjas”lendárias em São Pedro da Serra, uma honra enorme para o Nó Cego.

Em 2003 o grupo lançou um cd independente, que atingiu 3000 cópias vendidas, e foi muito elogiado pela crítica e público, abrindo muitas portas para apresentações em várias partes do Brasil, com destaque para a turnê no Nordeste em 2004, onde o Nó Cego tocou em João Pessoa, Natal, Recife, Campina Grande, e Porto Seguro, onde teve a honra de ter a participação da grande artista Elba Ramalho num de seus shows, o que foi um marco na carreira do Nó Cego, pela admiração que a cantora expressou pelo trabalho.

Atualmente o grupo está se preparando para gravar o segundo cd, e se apresenta com freqüência no Rio de Janeiro, em Nova Friburgo, e principalmente em São Pedro da Serra, onde o grupo mantém um importante trabalho cultural, apresentando um ótimorepertório de canções, baiões, cocos, cirandas e xotes, que consagraram o Nó Cego com o público.

O Grupo

Alessandra Monteiro nasceu em São Pedro e, desde a infância, a música esteve presente em sua vida, na igreja evangélica, em festas de interior, e mais tarde nas “rodas de violão”, onde conheceu Reinaldo, e depois Rodrigo. O talento é de família: seu avô tocava bandolim e construía rabecas, o pai toca trompete e sua mãe é afinadíssima,. Vários músicos já se impressionaram com o ouvido e a musicalidade instintiva de Alessandra, que vem se aprimorando cada vez mais nas percussões. Sua voz de belíssimo timbre, somada ao seu ótimo senso rítmico, é um dos pontos fortes do Nó Cego. “Carcará”, de João do Vale, “Os Galos”, de Cátia de França, “Festa” de Gonzaguinha, e “Oitavão Rebatido”, inédita de Bráulio Tavares, são alguns destaques do grupo na voz de Alessandra.

Reinaldo Queiroz nasceu em Belém do Pará, e mora há mais de 13 anos em São Pedro da Serra, onde é um dos pioneiros do movimento musical da região. Durante muitos anos viveu em Nilópolis, RJ, onde participou de vários festivais da canção, e projetos culturais. Seu tom de voz grave e metálico se soma ao enorme carisma que Rei (como é conhecido) tem com o público. Além de ser dono de uma precisão absoluta no triângulo e em outras percussões, Reinaldo tem um estilo muito pessoal tocar violão e de cantar, combinando potência e uma rara divisão rítmica. “Índio Americano”, inédita de Raimundo Filho, parceiro de muitos anos, é um ótimo exemplo deste “malabarismo vocal”. “Estilhaços”, e “Não sou rei de nada” são duas outras ótimas faixas do Cd na voz de Rei.

Rodrigo Garcia, é um músico e produtor musical carioca, esua linguagem originalíssima no violão já lhe rendeu trabalhos com várias feras da música, com destaque para Cássia Eller, tendo participado de 3 CDs (inclusive o último, “Dez de Dezembro”) e inúmeros shows da cantora de 1997 até 2001, em especial os dois shows de abertura (RJ e SP) para a turnê dos Rolling Stones com Bob Dylan, assim como da temporada de lançamento do consagrado acústico MTV no Canecão em 2001. Rodrigo faz um violão cheio, que preenche a música de uma forma que harmonia, ritmo, graves e agudos são expostos, num estilo muito pessoal, que Cássia admirava muito. Rodrigo já tocou com outros grandes nomes da nossa música como : Elba Ramalho, Zélia Duncan, Nando Reis, Cátia de frança, de quem acabou de produzir o novo cd, Lia de Itamaracá, e outros.

Por: Divulgação