19/10/2007 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Governo do Rio decreta alerta máximo contra incêndios florestais no estado

Rio de Janeiro - A secretaria estadual do Ambiente do Rio de Janeiro e o Instituto Estadual de Florestas (IEF) decretaram alerta máximo em todo o estado contra queimadas e incêndios que estão se alastrando por causa da estiagem prolongada.

Quem for pego em flagrante ateando fogo em qualquer lugar, incluindo queimadas agrícolas, será preso. Atualmente, existem cerca de 150 focos de incêndio espalhados pelo estado, que este ano bateu o recorde histórico de incêndios florestais, com cerca de 8 mil atendimentos pelo Corpo de Bombeiros.

O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, explicou como a população pode contribuir para o combater os incêndios florestais e ajudar a medida de alerta máximo.

“Em primeiro lugar, sendo solidária com os Bombeiros, atuando como voluntária. Em segundo lugar, com educação ambiental: nada de balão, de queimada, de fazer piquenique com fogo, de jogar guimba de cigarro pela janela”.

Ele orientou a quem vir alguém ateando fogo para limpar estradas, queimando lixo ou preparando terreno para a agricultura para telefonar para o Disque-Denúncia da Polícia Civil, no telefone 2153-1177 ou para a Polícia Militar, no número 190.

As ações emergenciais incluem a mobilização de brigadas do Corpo de Bombeiros e de voluntários do Previfogo, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Minc e o presidente do IEF, André Ilha, também pedem ajuda às prefeituras para que mobilizem a população a colaborar no combate aos focos de incêndio e denunciar os criminosos.

Incêndios pelo Brasil

As mudanças climáticas que assolam o planeta provocaram em diversas regiões do Brasil a pior seca dos últimos 40 anos. As florestas brasileiras estão em chamas. Este ano, o número de queimadas foi 30% maior que no ano passado.Em agosto, foram 21.459 queimadas, de acordo com o satélite. Em setembro, até dia 23, foram detectadas 17.133 queimadas. O Estado do Rio foi menos castigado que os do Centro-Oeste. Ainda assim, foram 400 focos de incêndio preocupantes. O mais grave atingiu uma área de 400 hectares na floresta entre Araras e Secretário, na região serrana. O Parque Nacional do Itatiaia, onde fica o Pico das Agulhas Negras teve vários focos de incêndio provocados. No Sumaré, o Maciço da Pedra Branca teve destruidos 10 mil hectares. No Estado do Rio, os bombeiros combateram incêndios também na Serra dos Orgãos, Petrópolis e Silva Jardim. Na reserva do Jacarandá, em Petrópolis e no Parque Nacional do Desengano, em Santa Maria Madalena. A Serra do Cipó, em Minas Gerais teve o pior incendio já registrado. Já o Pico do Itacolomi teve 30 mil hectares de floresta destruidos. No Rio,Os bombeiros afirmam ter sido ação criminosa. No Parque Nacional de Brasília, 2 mil hectares de florestas destruídos. Na Chapada dos Viadeiros, foram 18 mil hectares. Grande incêndio também no Parque do Tietê, na zona leste de São Paulo.O Instituto de Pesquisas ESpaciais detectou 2 mil focos de incendios em florestas no Pará, Minas Gerais e Rondônia. Na Bahia, o fogonas pastagens queimou parte da caatinga

Os incendios são criminosos

Segundo os bombeiros do Rio de Janeiro, os incêndios florestais não tem origem espontãnea. Só há casos raros, provocados por raios. As causas, em geral, decorrem da ação humana como pontas de cigarro jogadas na beira das estrada, queima de lixo, fogueira para cozinhar, queimadas agro-pecuárias, além dos incêndios induzidos por criminosos e balões.

Por: Agencia Brasil/Forumsec21