15/10/2007 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Evolução do comportamento passa por uma revisão dos hábitos

Esta matéria trata da necessidade da redução no consumo de carne vermelha.Tal hábito, além de não ser bom para a saúde, por causa do acúmulo de gordura no organismo e outras substancias, contribui decisivamente para a derrubada da floresta amazônica que vai, aos poucos, dando lugar aos bois. E além disto, há a questão da compaixão, um protesto ao enorme sofrimento a que são expostos os animais na hora do abate.

Alimentação semsofrimentoé possível: “ Os animais dividem conosco o privilégio de ter uma alma”( Pitágoras)

O filósofo grego Pitágoras, que viveu no final do séc. VIfoi o pai do vegetarianismo no Ocidente. Naquela época,as pessoas ainda não eram chamadas de vegetarianas. O argumento de Pitágoras em favor da dieta sem carne tinha três bases: veneração religiosa, saúde física e responsabilidade com o ambiente; e essas razões continuam a ser citadas ainda hoje pelas pessoas que preferem levar a vida sem comer carne.

Só após a fundação da Sociedade Vegetariana Britânica em 1847, que as pessoas passaram a ser chamadas de vegetarianas.

A mãe do vegetarianismo foiAnna Kingsford , que escreveu livros do maior valor e profundidade no campo do pensamento religioso e do vegetarianismoFoi médica e uma ardorosa opositora da vivissecção. Em seu diário, Anna escreveu que tinha uma grande ambição de mudar o mundo e que seu sofrimento com a má saúde de seu corpo era devido ao carma por seus “pecados da carne” em vidas anteriores.

Algumas religiões defendem e sugerem aos seus adeptos uma dieta vegetariana. A Igreja Adventista do sétimo dia recomenda uma dieta ovo-lacto-vegetariana, com ênfase em alimentos integrais, o Hinduísmo e todas as filosofias indianas pregam uma dieta lacto-vegetariana, os Essênios seguiam uma dieta vegetariana composta basicamente por alimentos crus e germinados.

Alimentação à custa

de muito sofrimento

O filme “ A Carne é Fraca” produzido pelo Instituto Nina Rosa (www.institutoninarosa.org.br) mostra de maneira muito realista os sofrimentosque são infringidos aos animais. Engana-se quem pensa que os animais não sentem dor. São irracionais, possuem terminações nervosas e sofrem muito com os maus-tratos a que são subordinados. Muitos animais,criados para consumo, são confinados, manipulados especificamente para o aumento de produção, através de genética, medicamentos e técnicas de manejo.O gado é marcado diversas vezes causando-lhes queimaduras de terceiro grau; os chifres são arrancados, castrações são feitas com faca sem o menor cuidado.As galinhas são criadas espremidas, em gaiolas do tamanho delas, sob luzes que ficam acesas por até 18 horas por diapara que elas não consigam dormir e possam comer mais, isso acontece para que a produção de ovos seja maior. Mesmo os animais que são criados soltos, muitas vezes, passam por algum tipo de sofrimento: vivem cheios de parasitas, passam fome e apanham bastante.

E de que maneira os animais morrem? Até chegarem à mesa do consumidor, passam por processos terríveis de tortura. O gado entra no abate um a um, os criadores mais bem aparelhados usam um revólver pneumático atordoador, mas é muito comum a marretada na cabeça, nem sempre certeira.Alguns animais, já sem força, caem, os que permanecem de pé são forçados a prosseguir, tangidos a choques elétricos. Ao final do percurso, um por um são contidos em pequenos boxes e covardemente massacrados: recebem marretadas, quantas forem necessárias, até que tombem. Os golpes lhes causam mutilações nos chifres, olhos e focinho. São então suspensos – alguns às vezes ainda vivos – por uma das patas traseiras, os músculos se rompem em virtude do grande peso dos corpos. Operários com longas facas cortam a garganta de cada animal, na veia jugular e carótida, deixando-o sangrar até a morte, pendurado de cabeça para baixo. No Brasil,este procedimento é comumente empregado no abate de bovinos. Porcos, cabras, ovelhas e outros animais são igualmente abatidos com idêntica brutalidade, mas sem o uso do atordoamento.Será que é necessário alimentar-se ao custo de tanto sofrimento?

Adeus Florestas

O meio ambiente está sendo degradado pela alta produção de animais para consumo humano.Aproximadamente 80% das áreas cultiváveis são usadas para a criação de animais. Em 1 hectare de terra podem ser plantados 22.500 kg de batatas e apenas 185 kg de carne bovina. São necessários de 20 a 30 mil litros de água para produzir 1 kg de carne, para a mesma quantia de trigo, é preciso apenas 150 litros de água.A criação de animais de corte é responsável por 90% do desmatamento de florestas tropicais. Para cada hambúrguer de carne bovina, são necessários 50 m² de área de floresta.E quem diz que come apenas frango, também é responsável pela queima das florestas, aumentando a escassez de água e o efeito estufa, já que os grãos utilizados para a alimentação desses bípedes vêm dessas áreas devastadas. Adotar uma dieta vegetariana é uma forma simples de consumir sem agredir o meio ambiente, enquanto que hábitos alimentares com predominância de comida industrializada e rica em proteína animal contribuem diretamente para um dos problemas ambientais que mais ameaçam o mundo: o aquecimento global. Além disto, alimentos naturais restauram nossa saúde e reequilibram as nossas energias.

A carne e a saúde

Segundo o médico homeopata Felipe Tourinho, todo tipo dealimento em excesso faz mal, independente do que é consumido. A carne consumida em excesso, pelo alto índice de proteínas, torna-se toxina e essa toxina interfere no sistema imunológico, a pessoa fica mais suscetível a doenças externas e as auto-imunes. Dificultando o metabolismo, pode vir a gerar uma doença chamada gota, que é causada pelo excesso de ácido úrico, podendo atingir juntas,rins e coração.Nem todas as pessoas devem seguir uma dieta vegetariana:

“ Depende do estilo de vida da pessoa. Cada pessoa tem umaalimentação adequada para si. Quem come carne, deve comer moderadamente, dando preferência ao peixe e ao frango caipira. Uma alimentação balanceada é o ideal, dando preferência a alimentos integrais e de origem orgânica. O arroz integral é um alimento muito importante, a casca, rica em fibras, é importante para o funcionamento do intestino e o gérmen possuí vitaminas e sais minerais.” - afirma Felipe Tourinho.

FelipeTourinho acrescenta que a dieta vegetariana é uma opção saudável, pois possuí uma enorme variedade de alimentos e cores. Quanto mais colorido a alimentação,mais saudável será.

Substancias não nutritivas

O site vidavegetariana.com afirma que, “mesmo a carne sendo uma rica fonte de proteína concentrada, é uma fonte muito pobre de outros elementos nutritivos como minerais, vitaminas e carboidratos.Além disso, comer carne de vaca e de outros animais é prejudicial à saúde dos seres humanos também por outra perspectiva; substâncias não-nutritivas resultantes da digestão de carne animal tendem a ser irritantes carcinogênicos.” A necessidade mínima diária de proteína, que peritos nutricionistas falamser entre setenta e noventa gramas, é facilmente preenchida com produtos lácteos e alimentos do reino vegetal. Encontramos proteína em ampla quantidade no leite, queijo, iogurte, trigo integral, milho,muitas variedades de nozes e feijões e alguns vegetais. Assim, vegetais, frutas, grãos e produtos lácteos constituem uma dieta perfeitamente balanceada. Consumir carne animal, por outro lado,resulta em proteína excessiva, que produz males do fígado, pressão sangüínea alta e endurecimento das artérias.

E para quem deseja se tornar vegetariano e está preocupado em como deixar deconsumir hambúrguer, cachorro quente, nuggets, não precisa se assustar:existemtodas essas guloseimas em versão vegetariana, e o sabor é bem parecido com o convencional.Leite condensado, creme de leite, chocolate,sorvete, achocolatado, todos esses alimentos à base de soja já estão no mercado e hoje em dia já podem ser encontrados facilmente.

Ser vegetariano envolve além de uma preocupação individual; questões ambientais, sofrimento animal, questões políticas e uma vida saudável, questões que estão presentes num simples gesto de decidir o que comer e o que não comer. Preocupar-se com o planeta e querer que ele sobreviva,depende de cada um.

Agnes Luterback

Por: ForumSec21