11/10/2007 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Rio tem o primeiro Escritório de Carbono do país

O governador Sérgio Cabral destacou a perfeita combinação dos interesses de desenvolvimento econômico com a preservação ambiental que seu governo vem implementando no estado do Rio, durante participação, nesta terça-feira pela manhã, na segunda reunião do Fórum Rio de Mudanças Climáticas Globais, organizado pela Secretaria do Ambiente em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), no auditório desta instituição, no Centro do Rio.

– Esta tem sido a tônica da gestão pragmática e eficiente da Secretaria do Ambiente, que defende as causas ambientais dialogando com as organizações não-governamentais, prefeituras, empresas, órgãos ambientalistas, acadêmicos etc, sempre de forma clara e transparente – elogiou Cabral, destacando os mais de dez projetos e programas ambientais lançados este ano em sua administração.

Durante a abertura do seminário, o presidente da Firjan, Eduardo Eugênio Gouvea Vieira, inaugurou o Escritório de Carbono, para atender empresas, sindicatos, investidores e prefeituras, entre outros, que queiram adotar ações que resultem em benefícios climáticos. O escritório será uma central de informações para orientar, tirar dúvidas, informar e encaminhar projetos. O escritório interagirá com interessados através do e-mail carbono@firjan.org.br e pelo telefone (21) 2563-4140.

De acordo com regras estabelecidas pelo Protocolo de Kyoto, países desenvolvidos com metas de redução das emissões de dióxido de carbono podem investir em projetos que diminuam as emissões em qualquer outro país e contabilizarem as emissões não realizadas em sua cota. As oportunidades de negócios existem em várias áreas, como siderurgia, alimentação, papel e celulose, energia e petroquímica.

– É uma iniciativa extraordinária, por ser instrumento de orientação dos interessados em negociar créditos de carbono e pelo seu pioneirismo, porque é o primeiro do país – ressaltou Cabral.

Os créditos de carbono, segundo o governador, são um mercado promissor que se estrutura em todo o planeta, a partir da elaboração e divulgação do Protocolo de Kyoto.

– Este é o mercado do século 21 que será fortemente "aquecido" nos próximos anos – previu.

Em seguida, o governador pediu o envolvimento da Firjan para a idéia de sugerir ao governo federal a criação no Rio do Instituto do Clima que seria uma referência nacional e internacional no assunto.

Na primeira pauta da segunda reunião do Fórum Rio de Mudanças Climáticas – o primeiro foi relizado em junho deste ano – o secretário de Desenvolvimento Econômico Indústrias, Energia e Serviços, Julio Bueno, apresentou uma agenda de ações visando o desenvolvimento limpo no estado com a criação de um pólo de tecnologia limpa. O fórum, que é coordenado pelo secretário do Ambiente, Carlos Minc, prosseguiu ao longo do dia com a apresentação de outros temas.

Também estiveram presentes o vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, o secretário de Educação, Nélson Maculan, representantes das secretarias de Fazenda; Saúde e Defesa Civil; Habitação; Planejamento e Gestão; e Agricultura, e o diretor-superintendente do Sebrae-RJ, Sérgio Malta, entre outros.

Por Guedes de Freitas

Por: Divulgação