15/07/2007 Noticia AnteriorPrxima Noticia

Conhea os possveis cenrios futuros para o planeta

Assim caminha a humanidade

02 de Julho de 2007 Fonte: Instituto Akatu

Do cu ao inferno. Estes so os extremos aos quais o planeta pode ser levado pela humanidade. Tudo vai depender de como reagiremos s novas condies impostas pela globalizao e, principalmente, pelas mudanas climticas.

Diante dos desafios atuais, quatro cenrios foram projetados para o planeta, que chegar incrvel marca de 9 bilhes de habitantes antes de 2050. O estudo foi feito pela empresa norte-americana de consultoria SustainAbility e apresentado pelo Instituto Ethos, durante conferncia realizada em So Paulo, no ms passado. No melhor cenrio, ganham a sociedade e o meio ambiente; no pior, ambos perdem.

1) Sociedade e meio ambiente ganham:

Esse o mundo em que se equilibram o crescimento demogrfico, a poltica, a economia e a sustentabilidade. Haver uma reduo dos atuais padres de consumo e maiores condies de incluso dos pases pobres. O desafio ser criar respostas positivas, evidenciando a importncia da troca de solues. Projeta-se um crculo virtuoso na maioria dos lugares, como um segundo Renascimento.

2) Sociedade ganha e meio ambiente perde:

Nesse mundo, as sociedades democrticas crescem em populao e ainda aumentam seu padro de vida, o que, conseqentemente, leva a uma presso sobre os recursos naturais, que se tornam cada vez mais escassos, e alta de preos. O desafio gerenciar o crescimento sem esgotar o meio ambiente.

3) Meio ambiente ganha e sociedade perde:

um mundo em que os pases ricos descobrem como usar os recursos naturais de maneira sustentvel, mas negam aos pobres o acesso a esses recursos. H uma desacelerao da destruio, mas ser um perodo de muita tenso social. As sociedades sero mais fechadas, operando como ilhas de sustentabilidade por longos perodos, enquanto a maior parte da populao continua apartada.

4) Sociedade e meio ambiente perdem:

Esse mundo catastrfico. No pior cenrio, a degradao ambiental gera um efeito domin econmico e social. A presso demogrfica e a manuteno do padro de consumo do ocidente rico devastam o meio ambiente, que leva a um crculo vicioso na poltica, na economia e na tecnologia. H uma crise de governabilidade, em que os lderes mundiais no encontram alternativas de incluso nem de sustentabilidade; crescem os conflitos.

O principal alerta do estudo, que tem o sugestivo nome de Ampliando Nosso Jogo - Podemos Sustentar a Globalizao?, que novas regras precisam ser adotadas pelas lideranas globais para, pelo menos, direcionar o desenvolvimento mundial em busca do primeiro cenrio.

Temos pautado o mundo pela felicidade que vem do consumo, e ela insustentvel, alerta Hlio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu.Segundo o relatrio da SustainAbility, lideranas corporativas, sociais e governamentais tero de deixar suas confortveis posies para buscar novos modelos, novas tecnologias, novos parceiros de pesquisas e solues em escala mundial.

No temos sadas fora das redes de colaborao. Temos de descobrir novas formas de fazer as coisas, e no s gerenciar riscos, concorda Ricardo Young, presidente do Instituto Ethos.O mundo globalizado atual apresenta atributos particulares como o mercado financeiro interconectado, com conseqncias positivas e negativas; urbanizao sem precedentes, acentuando disparidades de renda e moradia entre pobres e ricos; insegurana climtica e ambiental; vcuos de governabilidade e o desafio de diversificar as redes dedicadas a recuperar o meio ambiente e promover justia social.

Alm disso, outros jogadores se apresentam na disputa do consumo e por mercados, como China, ndia, Brasil e Rssia, que juntos j emitem 30% do dixido de carbono jogado hoje na atmosfera. Em 2050, vamos precisar de dois planetas se continuarmos a utiliz-lo da maneira como fazemos agora, diz Jason Clay, vice-presidente do WWF.

Individualmente, cabe ao cidado pressionar governos e empresas fornecedoras de produtos e servios, incentivar e participar das redes que articulam solues coletivas e ainda rever seus prprios padres de consumo.

Com informaes de O Globo

Por: Instituto Akatu