05/08/2015 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Sem florestas não tem água...

É preciso ter políticas públicas urgentes para restaurar a capacidade hídrica das nascentes e rios em todos os municípios do Brasil. Está na hora da realização de seminários, estudos, campanhas e, principalmente, práticas para o combate à falta de água e à sua prevenção. O problema está se consolidando gravemente e nada é feito. Se há dez anos atrás nos dissessem que o sistema Cantareira ia secar, será que acreditaríamos? A crise de água sem precedentes que atinge com força São Paulo nos mostra o quanto as mudanças climáticas estão sendo subestimadas pelos governantes. Mesmo que as chuvas de dezembro e janeiro sejam fortes, no ano que vem o problema será ainda pior como afirmam os organismos internacionais. No caso do Cantareira e de muitos outros reservatórios pelo sudeste há duas causas principais:

1 - A razão principal é o desmatamento da Amazônia, uma vez que o principal regime de ventos brasileiros vem justamente da região norte e centro-oeste em direção à região sudeste e sul. São este ventos que trazem para o sudeste a umidade da floresta amazônica e causam as chuvas. Os pesquisadores chamam este fenômeno de “Rios Aéreos” ou “Rios Voadores”, que a cada ano estão trazendo menos umidade, no geral, como explicado na ilustração acima.

2 - Outra razão, secundária, mas muito importante, é o desmatamento das nascentes da própria localidade, que impedem a água de ficar estocada nas matas.

Por: ForumSeculo21