09/09/2014 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Relatório identifica mudanças climáticas como desafio do desenvolvimento

As mudanças climáticas são um dos grandes obstáculos para objetivos mundiais de desenvolvimento como erradicação da pobreza, educação universal, maior expectativa de vida, prevenção de doenças etc., afirma o Relatório de Desenvolvimento Humano 2014 (HDR), lançado em Tóquio na última semana.

O documento, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), identifica as mudanças climáticas e os desastres naturais como uma das seis grandes ameaças ao desenvolvimento humano, juntamente com riscos econômicos, desigualdade, insegurança alimentar, insegurança física e problemas de saúde.

Por exemplo, o texto afirma que as mudanças climáticas produzirão mais secas em regiões áridas e furacões, tufões e outros eventos climáticos extremos mais intensos e frequentes, levando também ao aumento do nível do mar, enchentes, escassez de água em regiões chave, migração e extinção de espécies de plantas e animais e acidificação dos oceanos.

“A manifestação da vulnerabilidade a eventos climáticos extremos e a crise alimentar têm sido uma ameaça recorrente em diferentes regiões do mundo”, afirma o relatório, acrescentando que “uma ação multilateral é a chave” para combater esse problema urgente.

O relatório constata também que muitas das sociedades mais vulneráveis aos desastres naturais são frequentemente as mais pobres e que não foram responsáveis pela depredação de recursos e pelas mudanças climáticas, como é o caso de pequenos Estados insulares e grupos que praticam agricultura em pequena escala.

Por isso, empresas, investidores, cidades e governos, que são os agentes chave que podem reduzir as emissões e criar resiliência, devem, além de tentar minimizar as ameaças climáticas através de ações globais, buscar reduzir a vulnerabilidade às mudanças climáticas através da erradicação da pobreza.

“A menos e até que as vulnerabilidades sejam abordadas efetivamente, e todas as pessoas gozem da oportunidade de compartilhar o progresso do desenvolvimento humano, avanços no desenvolvimento não serão nem equitativos nem sustentáveis”, disse Helen Clark, administradora do PNUD.

Por: Jéssica Lipinski - Fonte: Instituto CarbonoBrasil