17/01/2014 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Banda Euterpe: Uma história apenas começando...

Banda Euterpe friburguense inicia nova fase de sua trajetória sesquicentenária

Girlan Guiland

Tendo surgido de uma promessa e acostumada a viver desafios, considerada ainda exemplo de superação, a banda Euterpe Friburguense se firmou, ao longo dos anos, como verdadeiro símbolo de resistência no cenário cultural do Estado do Rio. Afinal, uma agremiação musical brasileira atravessar um século e meio tocando sem parar... Ufa, haja fôlego!

E foi exatamente assim, com muita disposição e esforço, através do trabalho abnegado de diversas gerações de voluntários que a Sociedade Musical Beneficente Euterpe Friburguense chegou, no ano passado, ao 150° aniversário, consolidando a posição como banda civil mais antiga do País em atividade ininterrupta. Assim 2013, o ‘Ano Euterpe Sesquicentenária’ assinalou um feito histórico que não poderia ter deixado de ser celebrado à altura do que representou. Um ano inteiro de ações e programas especiais

Agora, no entanto, é partir para o futuro sem esquecer o passado. Virando mais uma página de sua história, a SMBEF começa 2014 preparando os festejos de seus 151 anos e, ao mesmo tempo, a posse de sua diretoria eleita em novembro passado.

O administrador de empresas, Paulo Benitez da Silva tomará posse, exatamente no próximo dia 26 de fevereiro, como seu novo presidente para o biênio 2014/2015.

As perspectivas são as mais animadoras. Diretores vêm se reunindo semanalmente neste primeiro mês do ano, tanto para acertar a programação da agremiação musical durante 2014, quanto para acertar a continuidade dos diversos pontos do plano de ação estabelecido, inicialmente, para os próximos cinco anos.

Para este ano, por exemplo, a meta é consolidar a marca Euterpe Friburguense, como resultado de um esforço de divulgação no qual se investiu a partir do ano passado. Além de uma programação de qualidade com apresentações da banda sinfônica, tanto em Nova Friburgo quanto nos principais palcos do País, o grande investimento que se quer fazer é nos músicos, considerados os principais patrimônios da instituição.

Assim como o próprio fundador da Euterpe, maestro Samuel Antonio dos Santos, que desde os primórdios da banda investiu na Escola de Música, pioneiro curso profissionalizante do município, que até hoje forma músicos que garantem a renovação de seus quadros e também possibilita a jovens friburguenses o acesso a uma profissão, a diretoria da Euterpe quer manter sua prioridade para a formação de novos talentos.

Desta forma, o pensamento é promover e investir em programas e situações que ressaltem cada vez mais o sentido humano, de integração social, confirmando o que se afirma nos últimos anos: o sentido de família, que permeia a agremiação, consolidando um relacionamento entre maestro, diretores, músicos e familiares de alunos e os adeptos e simpatizantes de uma de nossas maiores expressões culturais, constituindo o que se convencionou chamar “família euterpista”.

São, assim, decisões e atitudes que se firmam no cenário da instituição para que se viabilize sua existência por mais que um século é meio, no mínimo. Para que a Euterpe se eternize. Para que a Sociedade Musical, que carrega a força da fé, de um personagem ímpar na história de Nova Friburgo, se firme cada vez mais no contexto atual e futuro, como páginas que são escritas e enriquecidas a cada dia, a cada ano. De uma história que não tem fim. Muito pelo contrário, temos a satisfação e honra de constatar que é uma história que está apenas começando.

Girlan Gilland é jornalista e Assessor de Comunicação da SMBEF

Por: Girlan Guiland