24/07/2013 Noticia AnteriorPróxima Noticia

“Ponto de Cultura Rural” é exemplo de uma iniciativa construtiva de valorização da cultura local e do ambiente rural

Normalmente a população das áreas rurais fica alijada do direito a cultura, em virtude de inúmeros problemas que se apresentam como: inexistência de equipamentos culturais ou concentração destes na sede do município; extensões territoriais muito grandes entre as localidades; baixo número de transporte público nas comunidades rurais; políticas públicas reducionistas que limita a dimensão da cultura apenas a quadra de futebol; entre outros.

No Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, percebe-se um intenso processo de urbanização em algumas localidades rurais, com destaque para as atividades associadas ao turismo, principalmente nas cidades adjacentes à região metropolitana. Mas nas áreas mais distantes, os moradores das áreas rurais em atividades agrícolas e não agrícolas, continuam enfrentando problemas e não tem seus direitos básicos garantidos.

Ponto de Cultural Rural

O Sobrado Cultural Rural é um equipamento educativo de cultura localizado no vilarejo de Santo Antônio, na comunidade agrícola situada no distrito de Barra Alegre, Município de Bom Jardim. Bem na divisa com o Distrito de São Pedro da Serra, Município de Nova Friburgo.

A implementação deste equipamento cultural numa área rural visa ampliar o acesso, à criação, à fruição e a produção cultural para moradores de áreas rurais, corroborando com a defesa por políticas públicas de cultura que garanta a existência de equipamentos culturais em áreas rurais.

O espaço possui uma Biblioteca Infanto Juvenil Conceição Knupp Amaral, um Galpão de Artes Mafort, um Centro de Memória e uma Biblioteca de Artes Visuais; além de cozinha comunitária, alojamento, capril, galinheiro, horta comunitária e área de reflorestamento. Essas estruturas são batizadas com nomes de moradores da região como uma forma de demonstrar a importância da participação de todas as pessoas na história da região.

As ações desenvolvidas pela organização estão relacionadas a quatro programas que se interligam: fomento a leitura e as artes em geral, memória e patrimônio cultural; incidência em políticas públicas e escola de formação rural.

Em decorrência da realização destas ações, foram reconhecidos pelo Ministério da Cultura como um ponto de cultura rural, ponto de leitura e pontinho de cultura; pela FUNARTE como Biblioteca Rural de Artes Visuais; pelo IBRAM como ponto de memória rural e pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro como Ecomuseu Rural e Biblioteca Comunitária.

As ações de fomento a leitura e artes em geral contribuem com a garantia do acesso aos livros e fomentam a leitura e as artes em geral através de atividades que estimulam a criatividade, a fruição e produção cultural. Essa ação atende crianças, adolescentes e jovens, moradores de áreas rurais, que além do acesso ao empréstimo de livros, participam de oficinas e da programação cultural que envolve diferentes linguagens artísticas e culturais.

Atualmente recebem no espaço as escolas: E. M. Washigton Emerich, E.Mz. José Luiz Erthal, E.Mz Vieira Batista, entre outras, possibilitando um importante diálogo entre educação e cultura.

Memória e Patrimônio Cultural

As ações de memória e patrimônio valorizam o patrimônio cultural material e imaterial presente nas áreas rurais, além da salvaguarda dos saberes e fazeres das pessoas que vivem nestas localidades. Diversas ações foram realizadas; vale destacar as pesquisas em parceria com a Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, com o Instituto Brasileiro de Museus e com a FUNARTE, sobre os modos de vida das populações rurais. Estas pesquisas foram difundidas através de documentários como o Rezas e Ervas que aborda a feitura da pomada milagrosa pelos erveiros e rezadeiras do Grupo Grãos de Luz que integra o Ponto de Cultura Tesouros da Terra, o Saberes e Tradições Populares do Interior do Estado do Rio de Janeiro, que registra a história da Folia de Reis da Bandeira do Divino Espírito Santo de Barra Alegre em Bom Jardim e a Coleção Saberes e Tradições Rurais que compartilha histórias de vida de famílias, que vivem no campo, em diferentes regiões do país, mostrando os diversos saberes e fazeres, como: feitura de broas, produção de remédios caseiros, criação de cabras, produção de sabão caseiro, entre outros. Este acervo documental tem como objetivo subsidiar profissionais da educação com materiais paradidáticos para serem utilizados durante atividades que abordem a vida em áreas rurais.

Parceria com o INEPAC e as Escolas

Destaca-se também a parceria com o Instituto Estadual de Patrimônio Cultural – INEPAC na produção do livro “Agricultores do Estado do Rio de Janeiro” que narra à história de vida de cinco famílias de agricultores compartilhando suas trajetórias e seus modos de vida e o Inventário sobre o Patrimônio Cultural Rural de Barra Alegre que conta a história da região através da sua ocupação territorial. Além das atividades de educação patrimonial que fomentam a produção e a participação da comunidade em ações de preservação do patrimônio, através de oficinas de fotografia digital, de produção de vídeo e oficinas de fotografia artesanal utilizando caixas de sapatos ou latas de leite, metodologia que foi reconhecida pela UNESCO como uma prática pedagógica importante na formação de sujeitos mais críticos.

Vale ressaltar a parceria com a Escola Municipalizada Vieira Batista e com a Escola Municipal de São Pedro da Serra, que vem recebendo atividades voltadas para a preservação cultural através de oficinas de fotografia e de valorização dos mestres populares da região. Bem como com o Colégio Estadual Ramiro Braga onde estão capacitando os e as estudantes do ensino de formação de professor para multiplicarem a metodologia de alfabetização do olhar .

Por fim, as ações de incidência política objetiva incidir para que sejam executadas políticas públicas de cultura para áreas rurais. Para tal, integram diferentes fóruns, como o Fórum dos Pontos de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, a Comissão Nacional de Pontos de Cultura, o Conselho Nacional de Juventude na cadeira de entidade de apoio na área da cultura, entre outros. As ações deste programa envolvem pesquisas, ações de monitoramento e avaliação, produção de artigos, participação em redes e em espaços de diálogo entre a sociedade civil organizada e o poder público. E as atividades da escola de formação rural fruto da parceria com universidades e organizações culturais onde o espaço funciona como um campus avançado permitindo que jovens possam vivenciar uma experiência de trabalho numa organização rural de cultura.

Texto: Marjorie Botelho

Por: ForumSec21