20/02/2013 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Euterpe, 150 anos: Exemplo de superação e perseverança

Dois anos após a grande catástrofe climática, Nova Friburgo celebra um século e meio da Euterpe Friburguense, a banda mais antiga do Brasil

Girlan Guiland*

Dias seguidos de verão e sol intensos, pouco comuns nos Natais e réveillons anteriores - geralmente chuvosos - fizeram com que o próprio tempo mostrasse novos ares no início deste ano, proporcionando aos friburguenses um clima de auto-estima na passagem de 2012/2013, e permitindo o ano começar num cenário de expectativas e esperanças positivas, com promessas de verdadeiras boas novas.

Entre tantas possibilidades de bons acontecimentos, permito-me destacar apenas um por sua ocorrência pouco comum, não só no município, mas no Brasil como um todo. Em vários outros países, até pode ser corriqueiro, mas uma instituição cultural, sem fins lucrativos, chegar aos seus 150 anos de atividades, sem parar um só dia, é algo realmente de grande expressividade e valor numa Nação de 512 anos, com algumas tantas instituições centenárias, outras sesquicentenárias e poucas ainda bicentenárias.

Por isso, como um mantra, venho repetindo ultimamente, que “após as trágicas ocorrências de janeiro de 2011, uma das melhores notícias que Nova Friburgo tem para o Brasil, é a comemoração do sesquicentenário da Sociedade Musical Beneficente Euterpe Friburguense, mais antiga banda de música do País em atividade ininterrupta”, cuja trajetória vitoriosa confunde-se com a própria História de Nova Friburgo.

Senão vejamos: qual poderia ser maior e melhor exemplo de superação e perseverança do que uma instituição sem fins lucrativos, chegar a século e meio, graças a abnegação, benevolência e voluntarismo de pessoas e empresas que se revezam e se complementam ao longo do tempo para manter acesa a chama do ideal dos fundadores?

A música, uma verdadeira escola de vida

E neste contexto, um componente especial. A Escola de Música Maestro Samuel Antonio dos Santos - nome em homenagem ao fundador – em todos esses anos, se consolidou como o primeiro curso profissionalizante do Município. Ao longo de todo esse tempo, a escola vem preparando novos músicos que garantem a renovação também dos próprios quadros da banda.

Além disso, a Euterpe mantém ainda outra tradição: seus jovens músicos acabam por ingressar nas mais importantes orquestras e bandas militares do País, em oportunidades e espaços que se abrem aos já reconhecidos talentos musicais friburguenses. Num balanço, de fato positivo, quantos e quantos jovens alcançaram um destino que poderia ter sido muito diferente, caso não tivessem essa oportunidade.

Mais do que apenas um curso, decisivamente tiveram a chance de freqüentarem, graciosamente, uma verdadeira escola de vida. Fosse realmente possível contabilizar, o certo é que nos surpreenderíamos com a quantidade desses jovens, alguns hoje chefes de famílias, cujas histórias de sucesso e êxito superam aos que viraram simples números estatísticos de programas públicos de assistência social.

Uma História de Fé: Banda surgiu de uma promessa em alto mar

Fora isso, a Euterpe carrega também um exemplo de grande significado religioso. De uma promessa, um século e meio depois, a Euterpe se perpetua com a realização de um sonho e a concretização de uma história de fé.

A Euterpe Friburguense foi fundada a 26 de fevereiro de 1863, pelo maestro e oficial músico Samuel Antonio dos Santos, ex-regente da Banda de Fuzileiros Navais da Marinha portuguesa.

Em 1858, numa viagem de Lisboa a Buenos Aires, surpreendido por forte tempestade em alto mar, diante do risco de morte para toda a tripulação, católico fervoroso e devoto de Santo Antonio, rogou e prometeu que, no primeiro porto pediria baixa e onde se fixasse, fundaria uma banda de música e ergueria uma igreja ao santo.

E foi o que fez. Trazido então à pacata Vila de Nova Friburgo, pelo Coronel Galeano Emilio das Neves, e contando com o apoio de proeminentes nomes da época, fundou a Banda, tendo como seu primeiro Presidente o Barão de Nova Friburgo, Antonio Clemente Pinto. Também com ajuda de vários abnegados, em 13 de junho de 1884, inaugurou a capela de Santo Antonio, na praça do Suspiro.

Assim, 2013 é um ano para comemorar. Um feito desta magnitude não é para menos. No entanto, muito mais do que meras celebrações, é um tempo que marca ainda, ao contrário do que possa parecer, uma história que está apenas começando...E todos nós, muito mais do que meros expectadores, somos atores e protagonistas de um momento em que testemunhamos e ajudamos a escrever esse capítulo mágico da história: o sesquicentenário da Euterpe Friburguense.

E principalmente um capítulo especial, que traz como sua marca algo que a cidade tem em sua essência: a música e seu extraordinário poder de envolver e de transformar as pessoas e os lugares.

Euterpe, há um século e meio tocando uma sinfonia de amor por Nova Friburgo.

Além de estar na rede social, podendo sua fan page ser acessada através do endereço: http://www.facebook.com/BandaEuterpeFriburguense, desde o último dia 07/01 está no ar o novo site da banda, totalmente reestruturado: http://www.bandaeuterpe.com.br

Girlan Guiland*: jornalista, assessor de comunicação da Euterpe e Coordena o projeto “Rumo aos 150 anos”

Por: ForumSec21