20/11/2012 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Nova Friburgo tem que aprender a separar o seu lixo

A separação do lixo doméstico não exige muito tempo e ajuda na sobrevivência de muita gente. As cidades brasileiras antenadas com os avanços mundiais possuem cooperativas de catadores e cidadãos que separam seu lixo. Conquistando estes passos, os próximos passos tem a ver com a coleta seletiva; os cidadãos devem pressionarem o poder público e a concessionária para que aperfeiçoem a coleta.

Dib Curi

Mudar alguns hábitos incorporando pequenas atitudes que envolvem consciência ambiental tem um grande impacto no meio ambiente. Um exemplo disso é a separação do lixo doméstico. No começo, pode parecer trabalhoso, pois envolve uma mudança de postura e um cuidado diferencial com os resíduos, como enxaguar as caixas de suco e leite, por exemplo. Mas depois do primeiro passo essa ação passa a ser automática. Passa a fazer parte da rotina e não leva mais do que 30 segundos.

O Dia do Consumo Consciente, comemorado 15 de outubro, deve ser um incentivo para a sociedade começar essa e outras mudanças que podem ter grandes resultados: separar o lixo, economizar água, minimizar as emissões de poluentes na atmosfera, comprar apenas o que realmente é necessário e escolher empresas que tenham responsabilidade social e ambiental.

Apesar da coleta seletiva ainda não estar implantada em todos os municípios do país, há, em muitos locais, cooperativas que recolhem os resíduos que são separados nas residências e dão a eles a destinação adequada: a reciclagem. No processo, o lixo é tratado como matéria-prima que será reaproveitada para fazer novos produtos. Além de diminuir a quantidade de lixo que vai para os aterros sanitários, os recursos naturais são poupados, reduz a poluição e gera empregos e renda.

Coleta de Lixo em Nova Friburgo

Segundo dados do IBGE/2000, Nova Friburgo era um dos municípios com os melhores serviços de coleta de lixo entre os 15 avaliados no estado, com 98,9% de seus resíduos coletados – sendo 79,9% coletados por serviço de limpeza. Informações reunidas localmente indicavam, nesta época,uma cobertura de 90% a 95% do município, incluindo a área rural. Alguns bairros situados nas cabeceiras dos principais rios do município eram atendidos por coleta seletiva. Existiam cerca de 50 ecopontos de coleta, com contêineres grandes, espalhados pela cidade. Atualmente, este número baixou muito e os ECOPONTOS estão sucateados e envelhecidos, além de inexistirem campanhas para conscientizar a população. Atualmente, não existem políticas públicas especiais para os resíduos sólidos em Nova Friburgo.

Uma das principais preocupação atuais é quanto a falta de destinação adequada para a grande quantidade de lixo produzido pelas indústrias de confecção (aproximadamente 70 t/mês). O problema pode ser resolvido com o aproveitamento das sobras do material têxtil (linhas, pontas de tecidos etc.).

Nova Friburgo tem que caminhar para uma Coleta Seletiva diferenciada, reintroduzindo os ECOPONTOS e realizando campanhas de conscientização. Tem também que coletar pilhas e baterias, além do óleo de cozinha usado, no sentido de diminuir a poluição dos rios, uma vez que as donas de casa jogam o óleo pelo ralo.

Sem pilhas e pneus

Em Nova Friburgo, existe uma Cooperativa de Catadores que recebe 180 toneladas de resíduos por dia, conseguindo dar destinação a cerca de 40 toneladas. Lá, só não são recolhidos pilhas e pneus.

A Cooperativa funciona em Córrego Dantas, no Aterro Sanitário da empresa concessionária de lixo (EBMA), Emprega atualmente 25 catadores e já chegou a ter 40, mas muitos catadores morreram na tragédia de 2011, pois a maioria mora em áreas de risco. Está na hora de atentar para a situação destas pessoas. Os catadores trabalham recebendo, separando e preparando os resíduos que são prensados e armazenados em fardos e são vendidos para a indústria. Os catadores recebem, em média, um salário mínimo e meio. Depende do mês. Tem mês que eles tiram mais que isso.

O que é reciclável?

Pode ser reciclado todo o resíduo descartado que constitui interesse de transformação. Esses materiais poderão retornar à cadeia produtiva para virar o mesmo produto ou produtos diferentes dos originais. Por exemplo: folhas e aparas de papel, jornais, revistas, caixas, papelão, PET, recipientes de limpeza, latas de cerveja e refrigerante, canos, esquadrias, arame, todos os produtos eletroeletrônicos e seus componentes, embalagens em geral e outros.

Como separar lixo doméstico?

Não misture recicláveis com orgânicos - sobras de alimentos, cascas de frutas e legumes. Coloque plásticos, vidros, metais e papéis em sacos separados.

Lave as embalagens do tipo longa vida, latas, garrafas e frascos de vidro e plástico. Seque-os antes de depositar nos coletores.

Papéis devem estar secos. Podem ser dobrados, mas não amassados.

Embrulhe vidros quebrados e outros materiais cortantes em papel grosso (do tipo jornal) ou colocados em uma caixa para evitar acidentes. Garrafas e frascos não devem ser misturados com os vidros planos.

O que não vai para o lixo reciclável?

Papel-carbono, etiqueta adesiva, fita crepe, guardanapos, fotografias, filtro de cigarros, papéis sujos, papéis sanitários, copos de papel. Cabos de panela e tomadas. Clipes, grampos, esponjas de aço, canos. Espelhos, cristais, cerâmicas, porcelana. Pilhas e baterias de celular devem ser devolvidas aos fabricantes ou depositadas em coletores específicos.

Outras dicas:

Papéis: todos os tipos são recicláveis, inclusive caixas do tipo longa-vida e de papelão. Não recicle papel com material orgânico, como caixas de pizza cheias de gordura, pontas de cigarro, fitas adesivas, fotografias, papéis sanitários e papel-carbono.

Plásticos: 90% do lixo produzido no mundo são à base de plástico. Por isso, esse material merece uma atenção especial. Recicle sacos de supermercados, garrafas de refrigerante (PET), tampinhas e até brinquedos quebrados.

Vidros: quando limpos e secos, todos são recicláveis, exceto lâmpadas, cristais, espelhos, vidros de automóveis ou temperados, cerâmica e porcelana.

Metais: além das latas de alumínio, é possível reciclar tampinhas, pregos e parafusos. Atenção: clipes, grampos, canos e esponjas de aço devem ficar de fora.

Isopor: Ao contrário do que muita gente pensa, o isopor é reciclável. No entanto, esse processo não é economicamente viável. Por isso, é importante usar o isopor de diversas formas e evitar ao máximo o seu desperdício. Quando tiver que jogar fora, coloque na lata de plásticos. Algumas empresas transformam em matéria-prima para blocos de construção civil.

Por: ForumSec21