01/01/2012 Noticia AnteriorPróxima Noticia

A responsabilidade social em relação aos conflitos da juventude

Jovens em movimento e sociedades paradas ...

Jeany Amorim

Os jovens sempre foram questionadores dos costumes e da ordem social. Quanto mais cristalizada e engessada é uma sociedade, menos ela compreende a energia transformadora e viva dos jovens. E quanto menos uma sociedade compreende e acolhe esta energia jovem, mais ela sofrecom a sua rebeldia, inadequação e inquietação. A sociedade precisa urgentemente ter políticas públicas mais adequadas ao jovem e a sua busca própria. Por isto, não podemos reclamar do aumento do consumo de drogas e todos os outros comportamentos aparentemente “desviados” de nossa juventude.A responsabilidade é nossa porque queremos impor um mundo para eles sem os ajudarmos a se encontrarem e se situarem na realidade que eles encontram.

Existe um grande choque de gerações entre os adultos, já adaptados aos costumes e as regras sociais e os jovens, em sua grande maioria, ainda não adaptados e, por isto, contestadores destes mesmos costumes e regras.

Temos conhecimentode textos de sacerdotes egípcios datados de mais de 3 mil anos atrás, onde estes sacerdotesafirmavam que a juventude tinha saído do controleehavia, então, uma falta de esperança destes sacerdotes no futuro, pois os jovens não respeitavam mais os adultos e os costumes e estaria ficando muito dificil discipliná-los. Também na Grécia antiga há algumas passagens que afirmam este conflito de gerações:

“Essa juventude está estragada até o fundo do coração. Os jovens são malfeitores e preguiçosos. Eles jamais serão como a juventude de antigamente. A juventude de hoje não será capaz de manter a nossa cultura.” (Hesíodo, aprox. 720 a.C.)

A juventude de sempre

Há quem diga que a juventude de hoje também perdeu o respeito, pois inverte constantemente os valores e não se importa com os rumos que a sociedade está tomando...

Mas se buscarmos na história da humanidade, perceberemos que este “jovem de hoje” é atemporal, pois sempre esteve – e estará presente! - enquanto houver juventude.

Esses “ranços” que permeiama visão de muitos sobre a juventude, às vezes são fundamentados por um comportamento

petulante dos jovens, além de suas emoções à flor da pele, ou a sua tão característica impetuosidade. O que não podemos esquecer é que a juventude é um período de profundas mudanças internas e externas, tanto físicas como psicológicas, o que certamente não é fácil para eles; ou seja, a passagem da infancia a fase adulta.Em muitas civilizações, este momento é tão sintomático que é marcado por importantes ritos de passagem

Busca da identidade

O turbilhão de emoções, o início de uma avalache hormonale a busca constante pelo novo,por ser diferente, e as excentricidades, fazem parte do principal movimento do jovem: encontrar a sua própria identidade.Por isso torna-se tão necessário o convívio em ambientes sociais saudáveis e construtivos, uma educação mais vivencial e o exemplo de líderes positivos, além de afeto, valores, espiritualidade, verdade e transparência, ou seja, estímulos positivos para um desenvolvi-mento pleno nesta fase de afirmação do Eu...

Papel da sociedade e dos adultos

Estar ao lado dos jovens como ‘mediadores’ neste momento tão intenso de vivencias, reflexões, mudanças e busca da identidade pode ser mais pra-zeroso para os adultos do que se imagina. Estágio, primeiro emprego, grupo jovem – seja religioso, político, ecológico, artístico – ações sociais, grêmios, entre outros, são espaços de encontros e ações, onde o jovem pode trocar experiências, criar e descobrir novas perspectivas e caminhos:

“Acredito nos jovens à procura de caminhos novos abrindo espaços largos na vida.”

(Cora Coralina )

Grandes potenciais e valores podem despertar na juventude

Cheio de simbolismosainda inconscientes, vontades, potencialidades, fragilidades e paixões, segue o jovem buscando o seu espaço neste mundo. E pensando nestas características e na sua inserção e atuação na sociedade, devemos pensar também em ter muito mais tolerância, compreensão e, principalmente, oferecer atividades construtivas epolíticas públicas voltadas para a juventude, propostas que desenvolvam e explorem melhor as potencialidades, talentos e vocações de nossos meninos. Sem esquecer que é preciso que possamos garantir para eles o tempo e o espaço para sentir o vento nos cabelos soltos, o abraço, cantar a liberdade e, definitivamente, deliciar-se coma magia de SER jovem e encontrar, face a face, uma vida plena de possibilidades.

Apresentar-lhes caminhospermeados de amor, verdade,beleza, referências positivas; exercitar a doação, a ética, a compaixão; encorajar e mostrar que é possíveluma sociedade melhor, é deverde todos que foram jovem um dia. Pequenas iniciativas podem mudar o mundo... e esse é um compromisso de cada um de nós.

Ser jovem é permanecer descobrindo, amando, servindo, sem nunca fazer distinção de pessoas. (Artur da Távola)

Jeany Amorim é educadora e professora de artes visuais

jeanyamorim@ig.com.br

Por: ForumSec21