03/10/2011 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Confira os destaques ambientais de agosto e setembro.

Em audiência pública, dia 21/07, perante os representantes do IBAMA e do Consórcio UHE- Itaocara, idealizador da hidrelétrica do Rio Paraíba do Sul, o prefeito de Cantagalo, Guga de Paula, declarou ser contrário à inundação de áreas do município, entre elas a Vila de Porto Murtinho. Disse não haver justificativas para as perdas ambientais, culturais, familiares e econômicas que o empreendimento acarretará. Avalia que a energia gerada no futuro, pela pequena usina, de 195 megawatz, não justifica um lago tão grande e o prejuízo à fauna e flora, aos pescadores e moradores da região. Só no 4º distrito de São Sebastião do Paraíba seria cobertos 3.360 alqueiresde áreas férteis.

A prefeitura de Macuco acertou com o INEIA a criação de uma área de preservação ambiental com 17 hectares, na periferia da cidade. Grande parte da área será reflorestada, porque encontra-se degradada. Com isso, o prefeito Roberto Bianchinniespera melhorar a qualidade de vida da população.

Em Campo Grande, distrito de Teresópolis, das 3.500 famílias que ali viviam, só existem 20. A localidade varrida pela enchente está abandonada e coberta de entulhos.

INEIA constatou 17 áreas perigosas em Teresópolis, em 1 de agosto. Foram condenadas a demolição 900 construções situadas às margens dos rios Ibuí e Posse. Famílias terão que deixar o local.

INEIA derrubará 40 casas em Petrópolis. Famílias foram levadas a escolher entre indenizações, aguardar as casas populares ou efetuar compra assistida.

Segundo o Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, no dia 13/7, dos 4 milhões anunciados pela União, apenas dois milhões foram aplicados no auxílio aos flagelados da Região Serrana. Para Petrópolis e Teresópolis, foram 615 milhões. O valor de Nova Friburgo não está publicado.

CPI instalada em Nova Friburgo, dia 13/7, passou a ouvir empresas contratadas para a emergente limpeza da cidade . Vereadores investigam a aplicação dos recursos federais da calamidade pública porque a prefeitura não publicou os valores gastos.

Já foram instaladas em Teresópolis 6 estações de alarme. Serão acionadas em caso de fortes chuvas. Em novembro haverá treinamento da população.

Dia 8/7, o Ministério do Turismo anunciou recursos de 10 milhões para a recuperação do turismo na região serrana fluminenses. Acentua que a atividade foi prejudicada em 35% pelas fortes chuvas de janeiro.

CPI da Alerj revelou, em 5/8, que o Estado transferiu 23 milhões para socorrer o flagelo da região serrana, atingida pelas chuvas.

O Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA-RJ), enviou relatório ao Ministério Público em 6/8, advertindo sobre o perigo do novo período chuvoso que se aproxima, pois as encostas permanecem inseguras e muitos moradores reocuparam casas em área de risco.

INEIA comemorou 1 ano de campanha e o resultado de 600 milhões de unidades de sacolas plásticas que deixaram de ser utilizadas. O consumo de embalagens plásticas, somente no Estado do Rio somava cerca de 3 bilhões de unidades.

Secretário de Meio Ambiente, Carlos Minc, disse, em 23/6, que a meta é fazer do lixo uma fonte de gás metano para a produção de energia elétrica. O secretário espera cumprir esta meta em 4 anos.

Desde julho, as licitações no Rio tem exigências sobre a origem a licença ambiental dos insumos e materiais a serem usados em obras.

Em Conceição de Macabú, a secretaria do Ambiente Estadual apreendeu 550 metros cúbicos de madeira, provenientes de extração irregular. A multa aplicada foi de 240 mil.

A população mundial deve chegar a 7 bilhões de pessoas no mês de outubro. Ao comentar esta estimativa, o secretário geral da ONU disse que só uma decisão política pode acabar com a fome no mundo.

Aquilo que se supunha acontecer em 50 anos – a extinção das espécies no oceano – se agrava antes do esperado – Estudos do Instituto Oceanográfico da USP, divulgado em 24 de junho, afirma que a pesca industrial, a elevação do nível de acidez do mar e o aumento da temperatura das águas estão modificando o ecossistema marinho e causando extinção em massa.

Entre 2003 e 2010, o Programa Energia Para Todos, do Governo Federal, incluiu 10 milhões de pessoas no acesso a luz elétrica. Um novo programa, lançado em 11 de julho, estende às comunidades indígenas e quilombolas, além de muitas áreas rurais, o acesso a energia elétrica.

Senador Cristóvão Buarque pede a moratória de 30 anos na construção de Usinas Nucleares. Acredita ser melhor aguardar a evolução no uso desta fonte energética, e de uma tecnologia mais segura.

O reuso das águas do esgoto tratado está tomando força no mercado, pois a sua aplicação traz muitos dividendos para a indústria. O seu uso no resfriamento e limpeza nas fábricas é mais vantajoso que o preço do abastecimento público.

Desde 1 de julho, o Conama passou a exigir dos anunciantes, cujas marcas apresentem valores sustentáveis, a comprovação da qualidade ambiental de seus produtos.

12 mil árvores foram derrubadas em São Paulo pela Secretaria de Meio Ambiente municipal. As árvores foram eliminadas para permitir as obras nas margens do Rio Tietê.

Os três rios mais poluídos do Brasil são o rio Tietê, em São Paulo, o rio Guandu, no Rio de Janeiro, e o rio Iguaçu, das fabulosas Cataratas no Paraná.

O país conta com 2 mil brigadistas contra incêndios florestais. No dia mundial do meio ambiente, dia 5/6, a força comemorou a incorporação de mais 30 brigadistas, número insuficiente, no total, para atender as conseqüências das queimadas nas florestas e lavouras de todo o país.

O IBGE afirma que o Estado do Maranhão apresenta o pior atraso social do paios. Cerca de 14% de sua população vive na mais absoluta miséria.

O avanço da pecuária e do agronegócio geram estimativas de terem sido derrubadas, no país, quase 3 bilhões de frondosas árvores na Amazônia, desde 2002. Este número representa mais de 15% da mata virgem. Os maiores prejuízos ambientais estão no estado do Pará.

A secretaria de recursos humanos da Presidência da República registra que 1.850 pessoas estão ameaçadas de morte por disputas de terras na região norte e que recorreram a proteção da justiça. Pará e Rondônia são as áreas de maiores conflitos.

O IBAMA afirma que tem aplicado mais de R$ 3 milhões em multas á propriedades, este ano, pelo desmatamento no estado do Pará.

Segundo o SOS Mata Atlântica, restam apenas 11% das florestas de Mata Atlântica no país. O total salvo é de 1,515 milhão de quilômetros quadrados de florestas. Todavia, a mata continua sendo devastada. Em Santa Catarina as perdas florestais foram de 40% nos últimos 20 anos. O maior devastados, contudo, foi o estado de Minas Gerais. Entre 2008 e 2010, a Mata Atlântica perdeu 310 quilômetros quadrados de florestas.

Por: FórumSec21