02/09/2011 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Moradia e terra são temas de Campanha Mundial pelo Direito ao Habitat

Movimentos, entidades e organizações dos mais variados segmentos que trabalham pelo direito de morar bem, se preparam para realizar atividades referentes à Campanha Mundial 2011: Resistências e Alternativas para o Direito ao Habitat, prevista para acontecer em todo o mundo entre os dias 16 de setembro a 31 de outubro de 2011.

A Campanha terá como foco o fortalecimento das entidades que lutam contra todas as formas de violência na cidade, dentre elas os despejos forçados, a insegurança da posse e grilagem, garantindo o direito das famílias de viver em paz e com segurança.

A Campanha anual acontecerá em diferentes estados do Brasil, e em vários países da América Latina, América Central, África e Europa, com a realização de diversas atividades, dentre elas: ocupações, passeatas, manifestações, fóruns públicos. O objetivo dessas ações é reivindicar de maneira justa o direito das comunidades pela moradia e terra.

Para ampliar ainda mais a organização, cada país criou um comitê que se responsabilizará por catalogar os resultados das ações realizadas em cada cidade onde houver manifestação ou qualquer outro tipo de atividade que tenha como base a luta por cidades justas.

Dentro da Campanha Mundial também se estabeleceu um calendário para o Dia Mundial de Luta do Habitat. Em assembleia ocorrida no início do ano, em Dacar, Senegal, ficou definido que na primeira segunda-feira do mês de outubro, nas datas do dia 3 de outubro de 2011 e 1 de outubro de 2012, serão realizadas algumas atividades.

Essas atividades vão destacar os temas: "Causas e efeitos dos despejos, sofrimentos e empobrecimento das pessoas afetadas” e "solidariedade com os militantes pelo direito ao habitat, vítimas de repressão e violação de seus direitos civis e políticos”.

Para este ano, o Brasil já começou os preparativos para a Campanha. A Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam) e o Fórum da Reforma Urbana estão articulando jornadas, como forma de sensibilizar e pressionar contra os despejos forçados, fruto das políticas neoliberais e da corrupção.

"As jornadas deverão acontecer em vários estados brasileiros como forma de mobilização para a jornada nacional, que acontecerá no dia 4 de outubro em Brasília, Distrito Federal”, afirmou Bartiria Lima da Costa, presidente da Conam. As jornadas terão como eixo central as expulsões, os despejos, a monopolização de terras e a perseguição aos militantes.

Como sede de eventos esportivos importantes como a Copa Mundial em 2014 e as Olimpíadas em 2016, muitas das ações no Brasil serão centradas na questão contra a remoção de famílias e, também, em torno dos atingidos por obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo brasileiro.

Jeane Freitas

Por: Adital