25/08/2011 Noticia AnteriorPrxima Noticia

Crescimento da populao deve levar a crise da gua

23/08/2011

Fonte: Estudo do PNUMA e do IWMI, apresentado na Semana Mundial da gua, aponta que aumento do nmero de habitantes no planeta e atual agricultura podem ameaar recursos hdricos e ecossistemas da Terra.

Atualmente, cerca de 1,6 bilhes de pessoas vivem em reas com escassez de gua, e 2,6 bilhes no tem acesso a saneamento bsico. E essa situao deve se agravar se a populao continuar aumentando e chegar aos nove bilhes esperados para 2050. Pelo menos o que indica a nova pesquisa do Programa das Naes Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e do Instituto Internacional de Manejo da gua (IWNI), lanada nesta segunda-feira (22).

De acordo com o documento, intitulado Uma abordagem de servios de ecossistemas para a gua e a segurana alimentar, com as mesmas prticas agrcolas, o aumento da urbanizao e os padres alimentares atuais, a quantidade de gua necessria para a agricultura aumentaria dos 7,13 mil quilmetros cbicos para 70% a 90% a mais para suprir a populao prevista para 2050. E isso acarretaria em prejuzos para a prpria agricultura e para a vida humana.

No entanto, segundo o relatrio, impedir as prticas agrcolas em determinadas regies pode, ao invs de evitar a degradao de ecossistemas e recursos hdricos, piorar essa situao. Proibies gerais contra o cultivo nem sempre reduzem a destruio do ecossistema e podem tornar as coisas piores, declarou Matthew McCartney, co-autor do relatrio.

McCartney cita o exemplo do gramado dambo das zonas midas da frica subsaariana, que fornece terras agrcolas para os camponeses da regio. Proibir a agricultura nessas reas, no entanto, agravou, em vez de reduzir, a destruio do ecossistema. Elevou o desmatamento e levou a uma mudana da agricultura pastagem nas zonas midas e isso tem um impacto muito maior nesses sistemas naturais.

Por isso, os autores sugerem que necessrio integrar a agricultura com a proteo dos recursos naturais. O que necessrio um equilbrio: prticas agrcolas apropriadas que apiem a produo sustentvel de alimentos e protejam os ecossistemas.

A agricultura tanto a maior causa quanto a vtima da degradao do ecossistema. E no est claro se podemos continuar a aumentar a produo com as prticas atuais. A intensificao sustentvel da agricultura uma prioridade para a futura segurana alimentar, mas precisamos desenvolver uma abordagem mais integrada, declarou Eline Boelee, editora cientfica do IWMI.

Para David Molden, vice-diretor geral para pesquisa do IWMI, j possvel perceber um movimento que prioriza essas solues conjuntas. Estamos vendo uma tendncia crescente de alianas entre grupos tradicionalmente conservacionistas e os preocupados com a agricultura.

As vrias alianas polticas, comunitrias e de pesquisa que esto surgindo agora esto desafiando a noo de que temos que escolher entre a segurana alimentar e a sade do ecossistema, deixando claro que no podemos ter uma sem a outra, explicou Molden.

O vice-diretor geral para pesquisa do IWMI enfatizou que necessrio mudar nosso modo de lidar com a agricultura o quanto antes para que a situao no se torne irreversvel. essencial que no futuro faamos as coisas diferentemente. H uma necessidade de uma mudana seminal na forma como as sociedades modernas veem a gua e os ecossistemas e na forma como ns, pessoas, interagimos com eles.

Precisamos pensar em como direcionar a agricultura cada vez mais para a economia verde, na qual valorizamos prticas agrcolas que protegem nossos preciosos recursos hdricos, da mesma forma como estamos comeando a valorizar a gesto florestal que ajuda a reduzir as emisses de gases do efeito estufa, especialmente porque esses recursos naturais sustentam a subsistncia dos mais vulnerveis, disse Colin Chartres, diretor do IWMI.

O manejo da gua para a alimentao e para os ecossistemas trar grandes benefcios, mas no h como escapar da urgncia desta situao. Estamos caminhando para um desastre se no mudarmos nossas prticas costumeiras, concluiu Molden.

Semana Mundial da gua

A publicao do estudo abriu os debates da Semana Mundial da gua, que acontece entre os dias 21 e 27 de agosto em Estocolmo, na Sucia. Neste ano, o evento tem como tema A gua num mundo urbanizado, e os cerca de 2,5 mil participantes entre especialistas, profissionais, lderes mundiais e inovadores empresariais discutem questes relacionadas gua no ambiente urbano, como infra-estrutura, enchentes, poluio, acesso, polticas pblicas etc.

As cidades proporcionam grande economia de escala e oferecem oportunidades excelentes para o desenvolvimento de uma infra-estrutura eficaz, que possibilite um reaproveitamento maior da gua e de resduos, alm de um uso mais eficiente da gua e da energia, afirmou Anders Berntell, diretor-executivo do IWMI.

Catarina de Albuquerque, relatora da ONU para o Direito Humano gua e ao Saneamento, notou que infelizmente existe ainda falta de conhecimento sobre o que este direito humano gua e saneamento implica. E implica que todas as polticas pblicas deem prioridade s pessoas que so mais vulnerveis, s pessoas que esto esquecidas, que no tm voz, que esto nas zonas rurais, populaes indgenas, pobres, pessoas que esto em favelas.

Berntell alertou tambm que estamos correndo o risco de perder a batalha na rea de servios de gua e saneamento em muitas cidades do mundo, e essa uma luta que no podemos nos dar ao luxo de perder.

Um dos assuntos que est sendo tratado no encontro a possibilidade e a necessidade de se criarem alternativas para o uso de gua na questo do saneamento. Temos obrigao de olhar, cada vez mais, para solues de saneamento que no utilizem gua. Estive no Japo h um ano, e eles reutilizam dentro das casas e apartamentos, tm sistemas de tubulao paralelos, que lhes permitem usar a gua do banho para o saneamento, comentou Catarina.

o resto da gua do lavar as mos, de tomar a ducha, ou da mquina de lavar roupas ou pratos que utilizada no saneamento. Portanto temos que olhar mais para essas solues que nos permitem reutilizar a gua. Para que no tenhamos que utilizar gua potvel para o saneamento, acrescentou ela.

Gunilla Carlsson, ministra sueca da Cooperao Internacional para o Desenvolvimento, lembrou que o acesso ao fornecimento de gua limpa e saneamento um fator que estimula o desenvolvimento. Os custos da omisso excedem os custos do controle sustentvel e funcional dos recursos aquticos.

Por: Instituto CarbonoBrasil/Rdio ONU/Agncias Internacionais