12/04/2011 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Unidades de Conservação desaparecem em RO

12/04/2011

Sete Unidades de Conservação da Floresta Amazônica deixaram de existir no mapa do zoneamento socioeconômico e ecológico de Rondônia.Uma área de quase um milhão de hectares que deveria ter sido preservada, mas que ao longo de 20 anos ficou apenas no papel.

As sete Unidades de Conservação foram criadas durante a definição do zoneamento socioeconômico e ecológico de Rondônia de 1990.Juntas, somavam quase um milhão de hectares a ser preservados.Na época era uma das condições para o governo conseguir empréstimo do Banco Mundial.

De acordo com a proposta inicial, as unidades tinham que ser demarcadas e conforme o perfil, planejadas para manejo florestal ou totalmente preservadas.Sem proteção, as florestas desapareceram do mapa.Uma delas fica a apenas 40 quilômetros da capital Porto Velho, região norte de Rondônia.

Dentro de uma área do extinto Parque Estadual de Candeias, o cenário que se tem é de uma grande área de pastagem e quase nada de vegetação.Essa é a realidade em quase todas as unidades que foram extintas.

O pedido de revogação das sete Unidades de Conservação partiu do governo do estado.A votação para a extinção das áreas foi feita em regime de urgência durante uma sessão extraordinária, em julho do ano passado.O caso passou a ser acompanhado pelo Ministério Público do estado.Com informações de órgãos ambientais a promotora Aidê Torquato fez o levantamento de toda área revogada.Quase tudo foi desmatado e ocupado há muito tempo.

A superintendência do Incra em Rondônia confirma que há pelo menos três assentamentos na extinta Floresta de Rendimento Sustentado do Rio Mequéns.Um deles, com cerca de 600 famílias, foi criado em 1986.Apenas a Floresta Estadual Extrativista de Laranjeiras teve sua área quase toda preservada.

O ex-presidente da Assembleia Legislativa garante que seguiram os trâmites legais.“Se foi aprovado é porque passou pela Comissão de Constituição e Justiça e ela julgou que não era constitucional.Me estranha dizer que tem uma área 96% intacta.Eu acho que está havendo algum engano”, disse Neudir Oliveira.Ele nega que tenham revogado a área preservada.

A secretária de Meio Ambiente de Rondônia, Nanci Rodrigues da Silva, disse que um levantamento começou a ser feito para saber quais áreas realmente ainda podem ser consideradas Unidades de Conservação.

Por: http://www.rondonoticias.com.br