01/04/2011 Noticia AnteriorPrxima Noticia

Energia geotrmica pode ajudar o Japo durante a crise

25/03/2011

O Japo est situado sobre energia geotrmica inexplorada suficiente para substituir todas as usinas nucleares planejadas para a prxima dcada.

Porm, mesmo lutando para controlar o complexo de Fukushima e planejando construir mais 13 usinas nucleares, o Japo no tem planos de aproveitar os estimados 23,5 gigawatts em potencial geotrmico.

A energia geotrmica, que recebe pouco apoio na sia, deve atrair interesse ao passo que investidores repensam o panorama para a energia nuclear.

Encostado no Crculo de Fogo do Pacfico, um arco de atividade ssmica, o reservatrio geotrmico asitico est entre os maiores do mundo. Apenas a Indonsia possui 40% das reservas mundiais, porm menos de 4% est sendo aproveitado, deixando um espao enorme para crescimento do setor.

As principais economias asiticas tm dependido da energia nuclear para alimentar a demanda insacivel por energia. Cerca de 112 reatores nucleares esto ativos em seis pases e mais de 264 so planejados, segundo a Associao Nuclear Mundial.

Com a intensificao das crticas da populao em relao energia nuclear, os governos tero que repensar sobre fontes mais seguras de energias limpas.

Focares novamente as atenes na energia alternativa. Outros comearo a considerar a geotrmica como opo; a mais segura e limpa de todas as fontes de energia, comentou o diretor da empresa de Hong Kong Environmental Investment Services Asia Jeffrey Higgs.

Isto beneficiaria os fabricantes japoneses acima de tudo. Mitsubishi Corp, Toshiba Corp e Fuji Electric so lderes no setor de equipamentos para a indstria geotrmica, fornecendo quase 70% de todas as turbinas a vapor e engrenagens para as usinas ao redor do mundo.

Outras empresas que poderiam prosperar incluem a Energy Development Corp das Filipinas e a australiana Panax Geothermal.

A energia geotrmica, que se alimenta do calor do interior da Terra para liberar vapor de reservatrios subterrneos, poderia ser uma substituta valiosa para parte da energia nuclear mundial, segundo especialistas.

uma fonte de energia estvel, ao contrrio da elica e solar, no sendo afetada por padres meteorolgicos imprevisveis.

O custo a longo prazo da energia geotrmica, dependendo das condies geolgicas, pode ser menor que o do carvo. A partir do momento que as reservas so confirmadas e uma usina de energia construda, o vapor que move as turbinas da usina virtualmente gratuito.

No Japo, que fica em terceiro logo aps Estados Unidos e Indonsia em potencial geotrmico, segundo um relatrio do Citigroup, o recurso representa apenas uma frao do mix energtico.

Grandes investimentos, grande risco

O calor at 10 mil metros da crosta terrestre contem 50 mil vezes mais energia do que todo petrleo e gs natural no planeta. Este calor, aps ser acessado, gratuito, porm chegar at ele caro.

Um projeto geotrmico similar explorao do petrleo ou minerao. O tamanho do recurso desconhecido at que uma srie de perfuraes sejam feitas. O custo inicial de desenvolvimento pode ser alto.

Uma usina geotrmica de 20 MW requer US$ 7 milhes inicialmente para as anlises e ento outros US$ 20-40 milhes para perfuraes. At que o recurso seja comprovado, o risco de perda do investimento alto.

Um MW de energia geotrmica requer investimentos de cerca de US$ 3,5 milhes versus US$ 1,2 milhes para o carvo. Outra barreira o perodo de 5-7 anos desde a descoberta at a operao comercial.

Poucos fundos so aplicados aos projetos geotrmicos devido a esta longa espera pelo retorno financeiro. Como comparao, uma fazenda elica ou solar pode estar ativa em 12-18 meses.

Voc no sabe se est l at que tenha realmente desenvolvido, comentou o diretor da Castle Rock Consulting Mike Crosetti, que conduziu estudos de precificao para o governo da Indonsia.

E o mundo est cheio de casos onde os campos geotrmicos foram analisados, desenvolvidos e ento se descobriu: no podemos sustentar este tipo de produo do campo.

Higgs, da Environmental Investment, comentou que a energia geotrmica precisar de polticas governamentais claras e compreensveis s empresas para a fabricao, construo e operao.

Leonora Walet e Tessa Dunlop

Traduzido por Fernanda B. Muller, Instituto CarbonoBrasil

Por: Reuters