01/04/2011 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Zonas úmidas devem virar área de proteção internacional

A Secretaria do Ambiente (Seam) do Paraguai quer que as zonas úmidas do departamento de Ñeembucú sejam declaradas áreas de proteção em nível internacional. A informação foi divulgada por técnicos do órgão durante a plenária da Comissão Nacional de Defesa dos Recursos Naturais (Conaderma), do Senado, ocorrida ontem (30).

Segundo o diretor de Áreas Protegidas, o engenheiro Rafael González, a Seam quer que uma parte extensa do chamado Pantanal de Ñeembucú seja resguardada pela Convenção Ramsar, criada em 1971 para proteger internacionalmente as zonas úmidas. O Paraguai, inclusive, já é signatário do acordo.

Para conseguir a proteção, González disse que a secretaria está trabalhando em conjunto com autoridades locais e departamentais de Ñeembucú. Ele citou iniciativas de reordenamento territorial, o aumento das capacidades locais e a criação de vias alternativas de desenvolvimento para a região, como o turismo ecológico. González listou ainda a adequação legal e o fomento ao desenvolvimento sustentável como ações da secretaria.

Já a Conaderma apresentou, durante a plenária de ontem, um anteprojeto para modificar a Lei de Recursos Hídricos. A intenção é ampliar o capítulo IX, referente à conservação e o manejo das zonas úmidas.

O ecossistema serve de refúgio de aves aquáticas migratórias, regula o fluxo dos rios Paraguai e Paraná, diminui impactos das cheias e das secas e "filtra” a água –após os períodos de inundação, a água se infiltra lentamente pelas zonas úmidas e se torna mais limpa para chegar aos lençóis freáticos.

González explicou que as zonas úmidas do Pantanal do Ñeembucú, somando mais de um milhão de hectares, fazem parte do sistema de zonas úmidas do Vale Central da Bacia do Prata, o maior do mundo.

Elas são a principal fonte de água e biodiversidade do Paraguai. Em reconhecimento a isso, foram declaradas de Interesse Ambiental Nacional, por meio da Resolução 1076/11.

A sobrevivência das comunidades ribeirinhas também depende do ecossistema. As zonas úmidas geram um ambiente propício ao desenvolvimento dos peixes, alimento para milhões de pessoas na região, de acordo com a Seam.

Em todo o planeta, há 1.758 zonas úmidas de Importância Internacional, o que representa mais de 161 milhões de hectares. O dia 2 de fevereiro foi instituído como o Dia Mundial das Zonas Úmidas e é comemorado, geralmente, com pedidos de proteção deste ecossistema.

Camila Queiroz

Por: ADITAL