07/03/2011 Noticia AnteriorPrxima Noticia

Um exemplo de rea protegida: Parque Estadual dos Trs Picos

Alessandro Rifan

Na regio de Mata Atlntica as Unidades de Conservao (UCs) so locais privilegiados, j que se destinam a proteger os mais diferentes recursos naturais existentes, seus organismos e ciclos. Em quase todo o mundo contemporneo, uma das polticas ambientais mais tradicionais e conhecidas a conservao de reas terrestres e/ou aquticas com caractersticas biticas singulares. Por apresentarem alto ndice de biodiversidade e significativos atrativos, as reas protegidas institudas pelo SNUC1 , tornaram-se espaos propcios ao desenvolvimento de prticas voltadas sustentabilidade, tais como: o Manejo de recursos, o turismo comunitrio, a educao ambiental e a pesquisa cientfica.

Diante do exposto, a ampliao do Parque Estadual dos Trs Picos (PETP), realizada em 2009, reafirmou a importncia desse territrio para a proteo da biodiversidade no estado do Rio de Janeiro. Criado pelo Decreto Estadual n 31.343 de 05 de junho de 2002, o PETP abrange atualmente uma superfcie de 58.790,90 h, em reas dos municpios de Cachoeiras de Macacu, Nova Friburgo, Terespolis, Guapimirim e Silva Jardim.

O nome atribudo ao Parque evoca o conjunto montanhoso grantico conhecido por Trs Picos, com 2.316 metros de altitude. Os Trs Picos (Maior, Mdio e Menor) so referncia internacional de escaladas em grandes paredes. A partir do Ncleo de visitao Trs Picos, em Nova Friburgo, possvel acessar outros gigantes de granito, como o Capacete, Cabea do Drago, Morro do Gato e Ronca Pedra, e outras formaes rochosas peculiares, como a Caixa de Fsforos. No Ncleo de Visitao Jequitib, em Cachoeiras de Macacu, os principais atrativos so os jequitibs, que podem ser observados seguindo pelas trilhas interpretativas existentes. L tambm se encontra a Sede Administrativa da Unidade, o Centro de Visitantes, entre outros atrativos, como o mirante e a gruta dos cristais. J no Ncleo de visitao Jacarand, em Terespolis, o acesso ao parque possibilita travessias com paisagens inesquecveis, como a do Jacarand/Prata dos Aredes e Canoas/Areal.

Com grande variedade de habitats, recursos ambientais e importantes mananciais de gua, o PETP abriga uma notvel diversidade de mamferos, aves, anfbios, rpteis e insetos. A rea, que forma um contnuo florestal com o Parque Nacional da Serra dos rgos, com a APA Federal de So Joo, com a APA Estadual Maca de Cima, entre outras; abriga diversas espcies ameaadas de extino, tais como: a ona parda (Puma concolor) smbolo do parque, a lontra (Lutra longicaudis), a jaguatirica (Leopardus pardalis); alm de espcies da avifauna, como o Gavio-pega-macaco (Spizaetus tyrannus), o Macuco (Tinamus solitarius) e a Saudade (Tijuca atra). No que se refere diversidade da flora, ganham destaque as orqudeas, as bromlias, as samambaias, os musgos e, tambm, as palmeiras, como a espcie Juara (Euterpe edulis).

notrio que a conservao da biodiversidade compreendida no PETP e em outras Unidades institudas, depende, por parte de seus gestores e tcnicos, de compreenses tericas sociais e respectivamente de aes que considerem a relao natureza-sociedade. Isto , o controle dos usos predatrios e as resolues de conflitos institudas pela disputa dos recursos naturais, dependero de prticas interativas junto ao meio social. Uma estratgia de conservao bem sucedida se baseia no estmulo ao desenvolvimento de prticas sustentveis e, os Parques tem papel importante nesse tipo de desenvolvimento. Inmeras experincias de promoo do desenvolvimento sustentvel no Brasil, principalmente junto a reas protegidas, tem demonstrado que progressos tm profunda relao com a gesto participativa, especialmente em parceria com as populaes do entorno, responsveis diretas pela sua proteo.

No entorno do PETP j se observa algumas iniciativas sustentveis com foco na conservao e no manejo da biodiversidade, tendo frente moradores, organizaes no-governamentais, associaes comunitrias, instituies socioeducativas e centros de pesquisas. So iniciativas, tais como: cultivo de ervas medicinais; fomento do ecoturismo e mnimo impacto; iniciativas de educao ambiental, pesquisas sobre orqudeas e bromlias;pesquisas sobre participao social e governana democrtica; programas de reintroduo de mutuns; criao de reservas particulares do patrimnio natural (RPPNs), entre outras.

Diante da rica diversidade biolgica e sociocultural do territrio abrangido pelo PETP, esforos tm sido empreendidos pelo Instituto Estadual do Ambiente INEA, que apia o desenvolvimento de inciativas sustentveis no entorno. Nota-se que a construo de polticas pblicas tem se pautado em diretrizes mais inclusivas, no sentido de promover uma gesto mais participativa e compartilhada. Um exemplo disso a inteno da administrao do PETP em dividir com a sociedade questes relativas gesto ambiental no territrio, estando disponvel para a mediao de interesses e conflitos atravs do conselho consultivo institudo. Conselheiros e instituies de ensino e pesquisa tem procurado colaborar com aes de proteo, promoo de estudos cientficos e atividades voltadas sensibilizao ambiental.

Composta por coordenadorias, a gesto do Parque se d por aes de ordenamento e controle do uso dos recursos, sendo realizadas atravs de atividades como: vistoriais tcnicas para licenciamentos; fiscalizao e orientao, em especial a preveno e combate a incndios florestais, caa a animais silvestres e ocupao irregular; por suporte a pesquisa cientfica e; por atividades ldicas de interpretao e sensibilizao ambiental junto s escolas da regio. Na prtica, essas aes, mesmo que de forma gradual, tem sido influenciada pela lgica socioambiental, gerando posturas mais conscientes nos tcnicos, favorecendo assim o dilogo e consequentemente a intermediao de conflitos.

Nessa trajetria de evoluo, conservacionistas e tcnicos tm percebido e compreendido que, preciso institucionalizar as regras atravs das discusses participativas comunitrias. Dessa forma, para que as tais atividades sustentveis pensadas teoricamente para a zona tampo2sejam de fato implementadas e absorvidas como princpios, preciso que sejam construdas coletivamente as condies favorveis. S assim, por meio da gesto participativa e compartilhada que conseguiremos efetivamente criar estratgias viveis para a conservao da biodiversidade.

1Sistema Nacional de Unidades de Conservao - SNUC, Lei n. 9.985, de 18 de julho de 2000.

2 Zona criada a partir da necessidade de conciliar conflitos gerados na zona tampo, em virtude da proibio de atividades rurais.

Parque Estadual dos Trs Picos: Sede Administrativa Estrada do Jequitib, 145, Boca do Mato Cachoeiras de Macacu/RJ. Tel: (21) 2649 6847. Site: www.inea.rj.gov.br

Alessandro Rifan - rifan.ale@gmail.com

Arquiteto e Gestor em Etnodesenvolvimento.

Por: FrumSec21