11/05/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Relatório da ONU alerta para perda da biodiversidade

O Global Biodiversity Outlook 3 registrou taxas de extinção até 1000 vezes maiores que as médias históricas e analisou os impactos econômicos da degradação dos ecossistemas que podem estar alcançando um "ponto crucial"

Segundo as Nações Unidas os ecossistemas estão chegando perto do limite e se seguirem sendo explorados de forma insensata se deteriorarão rapidamente e serão menos úteis para a humanidade, prejudicando a produção de alimentos e a outras indústrias.

Além dessa conclusão, o Global Biodiversity Outlook (GBO), que teve sua terceira edição publicada nesta segunda-feira (10), traz também análises dos impactos econômicos da perda da diversidade e confirma que priorizar a preservação é uma ótima ferramenta para o o combate a pobreza.

“Mas as notícias não são boas. Nós continuamos a perder biodiversidade a uma taxa nunca antes vista na história”, resume Ahmed Djoghlaf, secretário executivo da Convenção sobre Diversidade Biológica, responsável pelo GBO 3.

O relatório leva em conta mais de 110 estudos e diversos indicadores que mostram, por exemplo,que a abundância de vertebrados, como mamíferos, pássaros e peixes, caiu um terço entre 1970 e 2006.

O GBO 3 também dá destaque ao fracasso dos países em alcançar as metas da biodiversidade firmadas na África do Sul em 2002 e que tinham como prazo limite o ano de 2010.

Entre os objetivos que não foram alcançados estão a proteção de ao menos 10% das regiões ecológicas terrestres, o controle da invasão de espécies exóticas e regras mais rígidas para que o comércio internacional não prejudique o meio ambiente.

Apesar do GBO 3 reconhecer alguns progressos, de uma maneira geral um número maior de espécies está caminhando cada vez mais rápido para a extinção.

A publicação do relatório marca o começo de duas semanas de conversas governamentais em Nairobi, no Quênia, que tem como objetivo traçar medidas para diminuir a perda da biodiversidade e que poderão ser adotadas no encontro da Convenção sobre Diversidade Biológica, em outubro, no Japão.

Economia

Segundo a ONU, a relação entre a perda natural e prejuízos econômicos existe e cada vez se fará mais clara.

Um projeto chamado de “A Economia dos Ecossistemas e Biodiversidade” (TEEB) está tentando quantificar os valores econômicos dos serviços naturais, como purificar a água e ar. O TEEB já calculou que a perda anual de florestas custaria à economia mundial algo como US$ 2 trilhões.

Do ponto de vista estritamente econômico destruir o meio ambiente é um mau negócio. Quanto mais os ecossistemas ficam degradados, maior o risco de que seja impossível recuperá-los, e assim eles se tornam menos úteis às pessoas.

“A humanidade fabricou a ilusão de que não dependemos da biodiversidade ou que ela seja algo periférico. Mas o fato é que precisamos mais do que nunca do meio ambiente, estamos indo para uma população de nove bilhões de pessoas em 2050. Seguir com os modelos atuais de negócios não é mais uma opção se queremos evitar danos irreversíveis para os sistemas essenciais à vida no nosso planeta”, conclui Achim Steiner, diretor executivo do Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas (UNEP).

Fabiano Ávila

Por: CarbonoBrasil/ONU