08/04/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Milhares de pessoas se mobilizam em marcha pela defesa da água

Os Povos da Província de Chimborazo se mobilizaram ontem (5) para demandar aos congressistas da maioria governista que debatam de forma democrática e participativa a proposta dos pontos críticos apresentados pelas organizações nacionais e regionais. A grande mobilização foi convocada por Interjuntas Chimborazo, pelo Movimento Indígena do Chimborazo, pela Previdência Social Rural e outras organizações sociais, camponesas e indígenas da província.

A marcha se iniciou no parque infantil e foi conduzida pelas autoridades dos governos comunitários e sociais, pelo Prefeito da Província Mariano Curicama, Mesías Usigña das Juntas de Irrigação de Quimiag, e pelos congressistas Gerónimo Yantalema por Chimborazo e por Ramiro Terán de Imbabura. Os participantes da marcha proclamaram "A água não se vende, a agua se defende", "a agua é do povo e não da Secretaria Nacional da Água (Senagua)".

Após serem percorridas as principais ruas da cidade, a numerosa marcha concluiu com uma grande assembleia plurinacional na legendária Praça Vermelha da cidade de Riobamba, onde as autoridades dos governos comunitários e dos governos dos conselhos de irrigação e água potável entregaram a proposta dos pontos críticos e insistiram que seja assinada pelos integrantes da comissão.

Delfín Tenesaca, presidente da Ecuador Runacunapak Rikcharimui - Ecuarunari/ Confederação Kichwa do Equador, convocou a grande Assembleia a manter-se mobilizada e demandar com firmeza que os projetos das comunidades, povos, nacionalidades e cidadania em geral sejam tratados no âmbito da Comissão de Soberania Alimentar, além disso convocou à grande mobilização nacional em defesa da água e da vida de todos os povos e nacionalidades que constituem o estado plurinacional.

Durante a Assembleia se recordou que no último dia 26 de março as organizações nacionais e regionais elaboraram um documento de consenso que se resume em: a Autoridade Única da Água - Conselho Plurinacional e Intercultural da Água, participação, desprivatização da água, aproveitamento produtivo da água, tarifa mínima necessária e gratuidade da água para consumo humano e irrigação para a soberanía alimentar, fundo da água para a vida, contaminação e descontaminação, a deterioração das áreas de recarga hídrica.

Por: Adital