15/03/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Organizações internacionais enviam carta a Lula repudiando Belo Monte

Belo Monte é uma usina hidrelétrica projetada a ser construída no Rio Xingu, no estado brasileiro do Pará. Sua potência instalada será de 11 233 MW, o que fará com que seja a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira, visto que a Usina Hidrelétrica de Itaipu está localizada na fronteira entre Brasil e Paraguai. De acordo com o site governamental da Agência Brasil, Belo Monte será a única usina hidrelétrica do Rio Xingu. O lago da usina terá 516 km² e duas casas de força.

São 140 entidades, dos quatro cantos do planeta, lembrando ao Presidente Lula o que ele disse em julho de 2009, quando recebeu em Brasília, lideranças indígenas e ribeirinhas da região a ser afetada pela hidrelétrica planejada para o Rio Xingu, no Pará: “Belo Monte não seria forçada goela abaixo de ninguém”.Entretanto, menos de um ano depois, o Ibama concedeu a licença prévia para sua construção."... seu governo deu sinal verde para o projeto, apesar da indignação das comunidades locais, da preocupação e dos alertas explícitos dos especialistas brasileiros".A carta se encerra afirmando que o Brasil não precisa de Belo Monte para assegurar seu futuro energético.Está assinada pela Amazon Watch e é endossada por diversas entidades da sociedade civil em defesa dos direitos humanos, indígenas, ambientais, do clima, entre outros.

Confira o texto na íntegra:Clique aqui

Belo Monte irá gerar 93% menos energia na época de seca

São Paulo, SP - A geração de energia da usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA), vai variar de acordo com as vazões do rio, que oscilam brutalmente ao longo do ano. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo a Eletrobrás, responsável pelos estudos sobre a hidrelétrica, considerando o histórico de vazões do rio Xingu desde a década de 30 até 2003, a futura produção mensal média de Belo Monte deverá variar de 10.361 megawatts médios (MWmed) em abril, no pico das chuvas, para 690 Mwmed em setembro, no auge da seca.

Isso significa que, entre os períodos de chuvas e de seca, a geração de Belo Monte vai variar 93%.Apesar disso, o presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz Lopes, defendeu a hidrelétrica.

"As vazões máximas do rio Xingu ocorrem entre abril e maio, enquanto as vazões máximas no Sudeste e no Nordeste acontecem em fevereiro e março.Assim, quando os reservatórios dessas regiões começam a decair, o Xingu está subindo.Então, será preferível gerar o máximo de energia no Xingu e guardar água nos outros reservatórios.Esse é o grande diferencial que fez de Belo Monte nossa grande esperança no setor elétrico", disse o presidente ao jornal O Estado de S. Paulo.

Por: Instituto Socioambiental / Amazonia.org