15/03/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

“Ecoturismo"é o segundo mais procurado pelos turistas

“Ecoturismo e Aventura” é o segundo segmento mais procurado pelos turistas

estrangeiros que visitaram o Brasil em 2008, de acordo com o Estudo da Demanda Turística Internacional do Brasil (FIPE/Embratur), seguido por “Sol e Praia”.

O Brasil oferece diversas opções de destinos para os estrangeiros amantes da natureza

O Brasil é conhecido por sua natureza exuberante, com uma paisagem rica e diversificada, e várias atrações para oferecer aos turistas interessados em ecoturismo e aventura. Para divulgar novos destinos do segmento no país, a Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo) e a ABETA (Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura) realizaram workshop no International Club de Berlim (Alemanha), nesta sexta-feira (12), durante a ITB, que termina no domingo (14).

Trilhas, escaladas, observação da flora e da fauna, banhos de cachoeira, mergulho e esportes radicais são alternativas para turistas que visitarem a Chapada Diamantina, o Pantanal, a Praia do Rosa (SC), Paraty (RJ) e o Rio de Janeiro, alguns dos destinos apresentados a uma plateia de 80 profissionais do turismo que participaram da atividade. A presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Jeanine Pires, participou da abertura do workshop, que foi apresentado pela executiva do Escritório Brasileiro de Turismo na Alemanha, Margaret Grantham.

Outras notícias de Turismo:

Nova classe média conquista mais espaço na economia brasileira

Um painel sobre a nova classe média foi um dos pontos altos da manhã desta segunda-feira (15), no Fórum Panrotas – Tendências do Turismo. O consultor Guilherme da Nóbrega, do Banco Itaú, destacou que a população está “cada vez mais bancarizada, com mais acesso ao crédito e à poupança”. E sugeriu que os empresários da área do turismo pensem a longo prazo já que, mesmo com a crise global, a tendência é de ampliação da classe C.

O consultor Renato Meireles, especializado em consumidores de baixa renda, destacou a situação mundial: “no início da década de 90, a renda per capta dos países ricos era 23 vezes maior do que a dos países pobres. Hoje, ela é apenas 11 vezes maior”.

Para atender à nova classe média, o diretor geral do Grupo Accor, Roland de Bonadona, disse que tem buscado soluções construtivas e inteligentes, bem como profissionais polivalentes.

Ao tratar da Classe C em seu discurso, o ministro Luiz Barretto citou exemplos, entre eles o resultado de uma pesquisa da Gol Linhas Aéreas. “Em 2009, 10% dos passageiros que viajaram pela empresa estavam fazendo a primeira viagem aérea de suas vidas.” De acordo com o diretor da Gol, Eduardo Bernardes, isso significa novos 2,6 milhões de usuários de transportes aéreos.

Tanto ele quanto Pedro Janot, presidente da Azul Linhas Aéreas, declararam que a nova classe C não está online. Em outras palavras, quer ser atendida perto de suas residências.

A palestra de abertura do painel foi de Marcelo Nery, da Fundação Getúlio Vargas, que mostrou instrumentos da instituição para a pesquisa do público consumidor de turismo.

Ministério do Turismo investiu R$ 6 bilhões em infrestrutura turística desde 2003

Dados foram apresentados pelo ministro Luiz Barretto durante abertura do 8º Fórum Panrotas, em São Paulo (SP)

Aeroportos regionais, pavimentação de estradas, urbanização de orlas e sinalização turística estão entre os principais investimentos realizados pelo Ministério do Turismo (MTur) nos últimos sete anos. Obras que totalizam R$ 6 bilhões, investidos por meio de parcerias com estados e municípios.

“Nosso objetivo é dotar os destinos de infraestrutura para que o turista seja recebido de uma melhor forma e tenha condições de passar mais tempo no destino, gerando emprego e renda para a região”, afirmou o ministro do Turismo, Luiz Barretto, durante a abertura do 8º Fórum Panrotas, que teve início na manhã desta segunda-feira (15), em São Paulo (SP). Ele citou como exemplo dos investimentos feitos pelo MTur a urbanização da orla do Rio Guamá, em Belém (PA); a construção do aeroporto de São Raimundo Nonato (PI); e a estrada Bonito-Bodoquena (MS).

Segundo Barretto, tantos investimentos, somados aos bons resultados da economia interna, permitiram que, mesmo durante a crise econômica de 2009, o Brasil tivesse registrado recordes de viagens. Os desembarques domésticos no ano passado foram de 55,9 milhões, superando em quase 15% o recorde anterior, registrado em 2007. No acumulado de 12 meses, de fevereiro de 2009 a janeiro de 2010, o total de desembarques domésticos foi superior a 57 milhões. Os dados internacionais de janeiro passado também são positivos. “Tivemos 734.636 desembarques internacionais, o que corresponde a 12,23% em relação a janeiro de 2009. É o novo recorde histórico”, comemorou Barretto.

Barretto também afirmou que “vivemos um momento especial. Depois de um ano difícil, o otimismo no setor turístico é evidente. Além das boas perspectivas com base nos números acima, também temos a avaliação feita pela 6ª Pesquisa Anual de Conjuntura Econômica do Turismo”. Segundo a pesquisa, comparativamente a 2009, a expectativa dos empresários é de um aumento de 14,6% no faturamento para 2010.

O ministro também destacou os investimentos feitos em qualificação, que somam R$ 248,8 milhões nos últimos sete anos, e projetou investir mais R$ 440 milhões nos próximos anos na preparação da mão de obra para a Copa do Mundo de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016. “Já temos o Olá, Turista! com as primeiras turmas formadas. O projeto é uma parceria com a Fundação Roberto Marinho, que capacitará 80 mil trabalhadores em inglês e espanhol nos próximos anos”, disse Barretto.

Além da qualificação, para os grandes eventos esportivos de 2014 e 2016 o Ministério do Turismo investirá em infraestrutura turística, promoção e em hotelaria. “Estes são os nossos grandes eixos de ação para os próximos anos”, disse Barretto, lembrando que para permitir a construção de novos hotéis e ampliação e a reforma dos já existentes, o MTur em parceria com os bancos públicos acaba de lançar linhas de crédito que totalizam R$ 1,8 bilhão, sendo R$ 1 bilhão do BNDES e R$ 800 milhões provenientes dos Fundos Constitucionais.

Sustentabilidade no turismo é tema em fórum na Alemanha

Brasil e Equador discutem os desafios relacionados às questões ambientais e à “Sustentabilidade na América Latina –

Umm assunto do momento ou o futuro?” foi o tema debatido no Fórum América Latina durante a Bolsa Internacional de Turismo (ITB), em Berlim, na última quinta-feira (11). A presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Jeanine Pires, o vice-ministro do Turismo do Equador, Mariano Proaño, e especialistas do setor falaram sobre os desafios e possibilidades para o turismo sustentável.

Como um dos destaques do encontro, o Brasil apresentou cases de sustentabilidade turística, as ações que valorizam a integração das comunidades locais e a relevância dos empreendimentos turísticos para o desenvolvimento econômico sustentável das regiões.

Exemplo mundial no uso de energias renováveis, o Brasil é apontado como um dos destinos emergentes para o ecoturismo e o turismo de aventura, ao lado da Rússia, Índia, China e México. “Sustentabilidade é hoje um conceito-chave para a indústria turística. O Brasil sai na frente neste quesito e precisamos trabalhar para que se torne a única maneira de fazer turismo”, afirmou Jeanine Pires.

A foto da ilustração é de Marcelo Skaf

Por: ASCOM Ministério do Turismo