10/03/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Projeto do Senado autoriza obra de hidrovia em áreas indígenas

São Paulo, SP - A bancada ruralista do Senado aprovou projeto de decreto legislativo para autorizar obras da hidrovia Araguaia-Tocantins em áreas indígenas.O texto fixa prazo de 90 dias para a análise dos estudos pelo Ibama e a Funai.

A bancada ruralista do Senado aprovou um projeto de decreto legislativo para autorizar obras da hidrovia Araguaia-Tocantins em áreas indígenas homologadas e demarcadas pela União.O texto da Comissão de Agricultura do Senado também fixa um prazo máximo de 90 dias para a análise dos estudos antropológicos e de relatórios de impactos ambientais em órgãos federais.

A criação do chamado "decurso de prazo" deve forçar uma aprovação mais rápida do licenciamento ambiental pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e também acelerar o sinal verde da Fundação Nacional do Índio (Funai).Se não houver a análise desses estudos em até 90 dias, o projeto da hidrovia de 3 mil quilômetros passa a ser considerado aprovado.

"Isso é para forçar os órgãos a não dormir com o projeto.Eles têm que dizer sim ou não", justifica a relatora do texto, senadora Marisa Serrano (PSDB-MS)."Mas isso é apenas um marco de tempo.As comunidades devem ser ouvidas antes."A obra deve ser incluída na segunda fase do Programa de Aceleração do Crescimento, o chamado PAC 2.

Em tramitação há seis anos, o projeto nº 232 regulamenta o uso de trechos dos rios das Mortes, Araguaia e Tocantins em regiões de Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Pará."Precisamos acelerar a concessão dessas licenças.Precisamos de estudos técnicos de viabilidade e de relatórios ambientais", diz o senador Gilberto Goëllner (DEM-MT), autor das emendas de limite temporal para as análises de Ibama e Funai.

As ONGs ambientalistas apontam o projeto como uma nova tentativa dos parlamentares ruralistas de pressionar e intimidar os técnicos do Ibama."É uma pressão política para apressar o licenciamento ambiental no Ibama", diz a secretária-executiva da ONG Instituto Socioambiental (ISA), Adriana Ramos.

Em maio de 2009, a Câmara Federal aprovou, em uma medida provisória, o "decurso de prazo" no licenciamento ambiental das obras de recuperação de rodovias."É outra "pegadinha" reincidente.A tática visa acabar com o rito do licenciamento.Antes, a obra.E só depois o projeto da obra", aponta a ambientalista.O problema da hidrovia Araguaia-Tocantins é, segundo ela, "de origem", já que seria necessário autorização para uma "dragagem permanente" dos leitos dos rios devido às suas características geológicas particulares.

A obra da hidrovia é considerada fundamental pelos ruralistas para o desenvolvimento do setor agropecuário do Centro-Oeste.A área de influência da Araguaia-Tocantins teria, segundo relatório do Ministério dos Transportes, potencial de produção estimado em 35 milhões de toneladas de grãos até 2020.

O rio Tocantins já é navegável em 250 km de extensão, da barragem de Tucuruí (PA) até a foz do rio Amazonas (AP).Mas a hidrovia precisará de grandes obras de alto impacto ambiental, como o derrocamento de corredeiras e a construção de canais auxiliares, terminais de transbordo e de eclusas em usinas hidrelétricas.Boa parte disso deve ocorrer em áreas de reservas indígenas.

No rio das Mortes, considerado o elo mas frágil da hidrovia, cerca de 550 quilômetros seriam navegáveis entre São Félix do Araguaia e Nova Xavantina (MT).No Araguaia, outros 1.230 quilômetros entre Aruanã (GO) e Xambioá (TO) comporiam o chamado Corredor Multimodal Centro-Norte, conectado às ferrovias Carajás e Norte-Sul, além da rodovia BR-153.O destino final das cargas seria o porto de Itaqui (MA)."Teríamos uma enorme economia de recursos, tempo e vidas com essa hidrovia", defende Goëllner, um grande produtor de grãos de Rondonópolis (MT).

Além das ONGs ambientalistas, a hidrovia enfrenta resistência de algumas etnias indígenas.A Constituição Federal submete ao Congresso Nacional a autorização para exploração de recursos hídricos nas áreas homologadas e demarcadas pela Funai.Os índios xavantes já pediram, na Justiça, a suspensão das obras da hidrovia nas terras à beira do rio das Mortes.

Mauro Zanatta

Por: Amazonia.org.br