25/02/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Campanha incentiva a conservação da natureza

O objetivo do programa Desmatamento Evitado é ajudar a proteger os últimos remanescentes de áreas naturais no Brasil, como a Floresta com Araucária

Como se sabe, as árvores são muito importantes para o combate ao aquecimento global, devido a sua capacidade de estocagem de gás carbônico e liberação de oxigênio. Além disso, as plantas são fundamentais para a conservação da biodiversidade e proteção das margens dos rios.

Diante desse importante papel que as árvores desempenham no meio em que estão, o plantio de árvores tornou-se uma boa opção para as pessoas que querem cooperar, de alguma forma, com o equilíbrio do meio ambiente. No entanto, essa não é a única forma de contribuição que as pessoas podem oferecer, pois participar de programas que incentivem o fim do desmatamento e consequentemente protejam as florestas nativas é também, um importante apoio que todos podem oferecer ao planeta.

Atualmente, a Sociedade de Pesquisa em vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) tem trabalhado em uma importante programa para diminuir o desmatamento. A "Campanha Desmatamento Evitado" tem como objetivo trabalhar pela conservação da natureza, ajudando a proteger os últimos remanescentes de áreas naturais no Brasil, como a Floresta com Araucária, em razão do potencial que têm para compensação de emissões de gases responsáveis pelo fenômeno do aquecimento global, bem como de sua importância para conservação da diversidade biológica.

De acordo com Denílson Cardoso, coordenador do programa Desmatamento Evitado, a Campanha consiste em envolver proprietários de áreas bem conservadas e ajudá-los a continuar protegendo-as com apoio financeiro de empresas interessadas em compensar suas emissões de gases de efeito estufa. “O projeto já possui 20 proprietários e disponibiliza recursos mensais para eles, além de oferecer um plano de manejo para orientar as atividades na área”, detalha.

Segundo Cardoso, estima-se que atualmente existam, no Brasil, somente 0,5% de áreas com Araucárias, diferentemente de 8 anos atrás, quando o Brasil tinha 9 % de áreas com a espécie.

Para o coordenador do programa, manter vivas as áreas nativas que ainda existem é, além de ajudar a combater as mudanças climáticas, uma necessidade urgente para proteger o patrimônio natural, responsável por abrigar inúmeras formas de vida de plantas e animais, bem como fornecer serviços ambientais essenciais à qualidade de vida humana: água, energia, alimentos, segurança contra desastres naturais, descobertas científicas, entre tantos outros.

Floresta Araucária

Características Gerais

A presença da mata de Araucária, sem dúvida, é o elemento que mais se distingue na fitofisionomia do Sul do Brasil. Os planaltos constituem o seu habitat por excelência, sendo evitados os vales dos grandes rios. Essa região caracteriza-se por alto índice pluviométrico e por temperaturas moderadas e ocorre nos mais variados tipos de solos. Geralmente a quantidade de húmus no solo é muito grande. A araucária tem preferência por lençóis freáticos pouco profundos.

Degradação

Para a economia florestal e madeireira do país esta é a região mais importante. A Araucária e a Imbuia são usadas pelas indústrias moveleiras e de papel celulose. A exploração madeireira é a responsável direta pela ameaça à Imbuia, assim como ao Pinheiro-do-Paraná, que é uma das espécies mais extraídas do sul do Brasil. A destruição dessas matas, sem deixar reservas em seu lugar, vem aumentando gradativamente a variação das precipitações na região Sul.

Com os loteamentos, a derrubada de árvores em encostas íngremes, as queimadas para formação de pastos e a instalação de indústrias, terminam por provocar deslizamentos de terra e enchentes, dos quais o homem acaba sendo a principal vítima.

Fonte: www.portalsaofrancisco.com.br

Por: IBFlorestas