05/02/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Hidrelétrica trará "caos", afirma bispo do Xingu

O bispo católico da região do Xingu, dom Erwin Kräutler, diz que a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte trará o caos para a região da Volta Grande do Rio Xingu (PA) e que as condicionantes pedidas pelo Ibama não garantirão a segurança da população local.

Representante do grupo de resistência ao empreendimento, d. Erwin afirma que o governo federal não apresentou respostas para a população do local sobre os impactos que a barragem do rio provocará. "Será o caos. Conheço Altamira. Belo Monte representará o caos."

Trecho do parecer do Ibama sobre Belo Monte trazido a público no ano passado revela que a pressa em licenciar o projeto inviabilizava estudos mais profundos sobre os impactos.

"Algumas questões não puderam ser analisadas na profundidade apropriada, dentre elas as questões indígenas e as contribuições das audiências publicas", dizia o documento.

Na próxima quarta-feira, d. Erwin participará de uma reunião com o presidente do Ibama, Roberto Messias, em Brasília, a pedido do executivo. "Suponho que seja para discutir Belo Monte", afirmou o bispo.

Sobre a posição do governo federal em relação ao projeto, ele diz que tem sido "arrogante" e "ditatorial". Em dois encontros que teve com o presidente Lula para discutir o empreendimento, obteve do governo o compromisso de que o projeto não seria imposto.

"Estava sentado do lado dele e o presidente disse: "dom Erwin, pode contar comigo. Eu não vou empurrar esse projeto goela abaixo de ninguém". Ele disse, então eu confio nele."

Uma das principais preocupações do religioso é o barramento do rio Xingu, a cerca de 40 km de Altamira. Além da inundação de milhares de casas e da saída compulsória de até 40 mil pessoas, a barragem poderá, diz, decretar a morte do Xingu. Cem quilômetros de rio terão, segundo a Eletrobrás, a vazão reduzida ao mínimo.

Luiz Prado

Por: Folha de São Paulo