22/01/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Pesquisa do Ipea analisa ações voltadas para a juventude brasileira

Nesta semana, foi lançado em Brasília, capital federal, o livro "Juventude e Políticas Sociais no Brasil", pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A publicação faz um balanço de temas de interesse aos jovens como estudo, trabalho e gravidez.

Na obra há estudos feitos pelo instituto que analisam a realidade da juventude brasileira nos últimos anos e as políticas públicas aplicadas para este segmento, com faixa etária entre 15 e 29 anos. Segundo o Ipea, a população jovem representa 26% da população brasileira, ou seja, existem aproximadamente 50 milhões de jovens no país.

No primeiro capítulo existe uma análise dos avanços e das dificuldades da recente Política Nacional de Juventude, implementada no Brasil em 2004. O livro mostra ainda análises sobre as ações, executadas pelo Governo Federal, voltadas para a juventude, como educação, trabalho, saúde, assistência social, cultura, segurança pública etc.

O presidente do Ipea, Márcio Pochmann declarou, na ocasião do lançamento, que o país demorou a tratar o tema juventude, mas que já houve avanços significativos. Beto Cury, Secretário Nacional de Juventude, concorda com a afirmação de Pochmann.

Segundo ele, embora o país tenha demorado a dar atenção para os jovens, hoje trata do tema com vigor. "Antes a juventude era considerada apenas uma fase de transição da adolescência para a vida adulta. Mas não podemos esquecer que existem 50 milhões de jovens no país".

Ele disse que o Brasil foi o penúltimo da América Latina a criar políticas públicas para a juventude, passando na frente apenas de Honduras. E enfatizou ainda que foi importante o país reconhecer a necessidade de políticas específicas para os jovens. "Quase todos os estados já têm um espaço de discussão de políticas juvenis", comemora.

Beto destacou a criação, em 2005, da Secretaria Nacional de Juventude, como ação efetiva do Governo Federal destinada aos jovens. Segundo ele, o Brasil é o único país do continente latino-americano a ter um Conselho Nacional de Juventude. Ele disse que nos últimos cinco anos houve muitos avanços na área, mas que a trajetória ainda é longa.

O secretário pontuou alguns dos programas criados pelo Governo Federal como o ProJovem, que beneficia cerca de 1 milhão de jovens, o Programa Universidade para Todos, que possibilitou milhares de jovens ingressarem no ensino superior, e, as escolas técnicas que estão em expansão.

Entre as próximas ações estão a construção do marco legal, a aprovação da PEC da Juventude e o Plano Nacional da Juventude que deve alcançar muitas metas nos próximos anos.

Confira a publicação na íntegra através do link: http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/pdf/20100119JUVENTUDE.pdf

Tatiana Félix *

Por: Adital