20/01/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Em Mato Grosso, jovens se engajam no trabalho de recuperação ambiental

Adital

O Estado do Mato Grosso, localizado na região Centro Oeste Brasileira, abriga em seu território parte da Floresta Amazônica. Com um histórico de desmatamento, algumas regiões do estado já perderam mais da metade da área florestal.

Segundo o Diretor do Instituto Ouro Verde, Alexandre Olival, o município de Carlinda, no norte do Estado, já está com quase 70% de sua floresta desmatada, quando o limite legal é de apenas 20%, já que se trata de reserva ambiental.

Hoje, o desmatamento reduziu bastante, porque já não há mais floresta próxima às cidades. Somente nos últimos quatro anos, segundo Alexandre, o Governo Federal vem investindo no combate ao desmatamento, fechando serrarias, por exemplo. Antes, diz ele, nenhuma ação era combatida, já que as prefeituras e o Governo do Estado acreditavam que o desmatamento trazia desenvolvimento para a região.

Para tentar recuperar algumas áreas devastadas, a instituição desenvolve, há dois anos, junto com jovens estudantes de Carlinda, a plantação direta de sementes nas áreas de nascentes da região. "São alunos do 2° e 3° ano do ensino médio que realizam este trabalho. Eles coletam sementes e recuperam a área", informa.

Para participar desta iniciativa, os alunos devem se inscrever na própria escola. As atividades são realizadas todas as semanas em turno diferente ao horário das aulas. O resultado deste trabalho é, além da recuperação ambiental, um melhor aproveitamento escolar dos voluntários, segundo Alexandre. "Já temos mais de trinta áreas em processo de recuperação", informou.

Além disso, ele enfatiza a importância da juventude se envolver neste tipo de atividade. "A partir do desenvolvimento deste trabalho, os jovens participam mais da sua comunidade e se interessam por outras ações."

Com o recente apoio do Fundo Amazônia, Alexandre acredita que será possível expandir o projeto para outras regiões. Graças a um prêmio recebido por esta iniciativa os coordenadores do projeto poderão aplicar recursos e investir no Banco de Sementes.

Jovens que já concluíram seus estudos, também podem participar do projeto. Mais informações sobre este trabalho pelo site: www.ouroverde.org.br/nascente.

Tatiana Félix

Por: Adital