07/01/2010 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Metade dos dirigentes globais ignora riscos climáticos, diz pesquisa

Quase metade dos gestores financeiros globais estão tomando decisões de investimento sem considerar riscos e oportunidades associadas às mudanças climáticas, demonstrou uma pesquisa lançada nesta quarta-feira(6) por uma coalizão de ambientalistas e investidores.

Um relatório recomendou que os gestores financeiros e investidores institucionais façam análises de risco climático sobre todos os investimentos e incentivem a Comissão de Câmbio e Valores (SEC – Securities and Exchange Comission) dos Estados Unidos a estimular as empresas para revelar os riscos climáticos.

“Isto diz respeito a questões empresariais que afetam nossos portfólios”, disse o chefe executivo do Sistema de Aposentadoria dos Professores do Estado da Califórnia Jack Ehnes em uma teleconferência sobre a pesquisa. “Certamente, deixando a recente crise econômica com uma maior compreensão de risco, eu acreditaria que todos deveriam abraçar as questões climáticas”.

A pesquisa com os 500 maiores gestores de ativos do mundo realizada pelo Ceres, uma coalizão de Boston, revelou que 44% dos questionados não considerava os riscos climáticos nas suas decisões de investimento.

Os setores que enfrentam os maiores riscos financeiros decorrentes das mudanças climáticas e de limites atuais e futuros nas emissões de gases do efeito estufa(GEEs) incluem os gerados de energia, fabricantes de automóveis e empresas de seguros, concluiu o relatório.

Os proprietários de ativos, como fundos de pensão e outros investidores institucionais, não estão pedindo aos seus gerentes que analisem os riscos, ou estão apenas começando a levantar o assunto.

Alexis Krajeski, uma especialista em investimento da empresa F&C Management Ltd de Londres, disse que os gerentes financeiros podem sair perdendo se não analisarem as oportunidades e riscos ligados às mudanças climáticas.

As oportunidades podem incluir investimentos em empresas que estão respondendo às regulações de GEEs ao ajudar as indústrias pesadas a reduzir emissões.

“Para capitalizar com oportunidades relacionadas ao clima e evitar perdas relacionadas ao risco climático, precisamos identificar os vencedores e perdedores”, comentou Alexis.

Os fundos de pensão e outros investidores direcionados pelo Ceres, possuindo mais de US$ 1 trilhão em ativos, tem pressionado a SEC para exigir que as empresas revelem estas informações.

A comissária da SEC Elisse Walter, um dos cinco membros que tomam decisões sobre as regras nacionais sobre títulos, disse que acredita que chegou a hora dos reguladores expedirem as chamadas diretrizes interpretativas sobre os riscos climáticos.

Por Timothy Gardner

Traduzido por Fernanda B. Muller, CarbonoBrasil

Por: Reuters