18/11/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Rio de Janeiro: Uma Olimpíada e duas realidades

Depois do Pan Americano, que prometia fazer avançar a situação social no Rio de Janeiro, o fato é que os investimentos nesta área não aconteceram. Agora, com uma nova promessa de reconfigurar a realidadecarioca, vem aí a Copa do Mundo e os altíssimos investimentos da Olimpíada. Do alto de sua privilegiada visão do Rio, a população dos morros cariocas aguarda, nem sempre com paciência, a sua vez...

Francisco Rohen

No dia 2 de outubro, às 14h, horário de Brasília, em Copenhague, o Rio de Janeiro foi escolhida pelo Comitê Olímpico Internacional como cidade-sede dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016. Pela manhã Barak Obama e o primeiro ministro japonês defenderamas candidaturas de Chigago e Tóquio, mas na apresentação e defesa os argumentos não convenceram aos 115 membros do COI.

As expectativas ficaram voltadas então para as favoritas Rio de Janeiro e Madri. À tarde o comitê elegeu a cidade carioca por conta do alto investimento, e da tradição de não realizar a competição seguidamente no continente sede e, também, pelo fato da América do Sul não ter organizado uma olimpíada.

Dimensão dos investimentos

O Rio apresentou a maior proposta: U$ 13,9 bilhões (R$ 24,7 bilhões), mais que o dobro das cidades concorrentes. O COB espera recuperar o investimento na exploração da publicidade do evento e vendas de ingressos. Para efeito de comparação, Madri foi à segunda U$ 6,1 bilhões (R$ 10,8 bilhões); Tóquio U$ 5,9 bilhões (10,6 bilhões) e Chicago U$ 4,8 bilhões (8,5 bilhões).

Todos os ventos sopraram a favor da candidatura da Cidade Maravilhosa. A finalização do projeto “Rio 2016” abraçado com garra pelos governos do Rio, Estado e União, capitaneada pelo Ministério dos Esportes, coordenado pelo Comitê Olímpico Brasileiro – COB. O marketing político teve à frente o presidente Lula, o governador Sergio Cabral, o prefeito e anfitrião Eduardo Paes; reforçado por personalidades de renome internacional como o rei Pelé, o escritor Paulo Coelho, atletas e ex-atletas consagrados mundialmente.

Primeira cidade de língua Portuguesa a sediar os jogos

Coincidência ou não o COI, na hora da escolha, resolveu premiar o Rio como a primeira cidade sul-americana e de língua portuguesa a sediar uma Olimpíada e apagar a frustração da eliminação em 2005; aproximar-se as de línguas espanholas já contempladas: Cidade do México, em 68 (a única da América latina) e Barcelona, em 92. Madri tentava ser a terceira, mas perdeu pelo fato de situar no continente sede dos jogos de Londres em 2012.

Mais umaa Baia de Guanabara é justificativa

Um dos projetos prioritários visa à recuperação e despoluição da Baia de Guanabara que, juntamente com a Lagoa Rodrigo de Freitas, dividirá algumas das competições aquáticas que estiveram apenas no papel na lista do Pan 2007. A Baia pela sua importância econômica e turística para o Rio, e também o Cais do Porto, vão passar por reformas de modernização e revitalização de toda zona portuária. Após o mundial de 2010, na África do Sul, a Cidade Maravilhosa vai ser a janela do mundo: sub-sede da Copa do Mundo de 2014 e cenário das Olimpíadas de 2016, atrativos para turistas brasileiros e estrangeiros.

Quanto vai sobrar para a melhoria das condições sociais?

Um tanto escondida pelos holofotes da Olimpíadas está a situação social da cidade do Rio.É preocupante a população em situação de rua que, aos milhares, ocupam pontos estratégicos do Centro do Rio a Zona Sul. Os antigos meninos de rua viraram “população”, hoje são famílias inteiras vivendo como indigentes, ignoradas pelo poder público sobrevivem da venda de material reciclável e de esmolas de transeuntes; marginalizadas as crianças se viram como flanelinhas, vendendo doces nos sinais de trânsito; o dinheiro é usado no consumo de drogas, principalmente o crack que é a mais perigosa. À noite as cenas são chocantes amontoados pelas calçadas, debaixo dos viadutos dormem sob os efeitos das drogas.

O que não está claro no projeto das Olimpíadas é um programa social para alojar a população de rua e famílias que ocupam áreas invadidas, como as que estão atrás do autódromo de Jacarepaguá, local previsto para instalar o Centro de Comunicação dos Jogos. Segundo a urbanista da ONU Raquel Rolnik, o bom exemplo deveria ser copiado dos gregos, que após as Olimpíadas da Grécia em 2004, as instalações da Vila Olímpica serviram ao programa de habitação popular. “Infelizmente, a prática é outra. O que a gente tem visto nesses grandes eventos são remoções de moradores, sobretudo pobres das áreas centrais”, citando mau exemplo de Barcelona em 92. Em Pequim 2008, calcula-se que mais de 1 milhão de chineses foram despejados durante as obras.

Violência Urbana: é preciso atacar as causas

Vários fatores contribuíram direta ou indiretamente para violência urbana.A concentração de renda e a pesada carga tributária induz baixos salários e desemprego, elevando a desigualdade social. A má qualidade do ensino público ocasiona a evasão escolar e o analfabetismo. Para complicar existe a migração rural para as favelas e a perda da confiança na justiça e nas instituições política do país, bem como nas forças de seguranças.

A vida moderna vem quebrando padrões tradicionais nas famílias, propiciando conflitos e desvio de conduta dos valores morais às novas gerações; impunidade aos criminosos.

O ano de 2010 vai ser importantíssimo para o futuro do Brasil, o IBGE vai a campo fazer a contagem do povo brasileiro. O censo do ano que vem vai servir de parâmetro ao futuro governo em 2011. Fomentar uma política social mais justa a médio e longo prazo, planejar um futuro mais digno à nação brasileira e erradicar a pobreza.

A “Rio 2016”, a Copa do Mundo em junho na África não sejam usadas como bandeiras nas eleições de 2010. O presidente Lula prometeu aos seus aliados fluminenses independente do pleito eleitoral, ajudar o Rio de Janeiro combater com rigor o crime organizado e a violência na cidade através da Polícia Federal, se necessário usar as Forças Armadas. O objetivo é frear entrada de armas e drogas nas favelas cariocas, o trabalho iniciado agora já apareça na Copa do mundo de 2014; dentro dos limites toleráveis até os Jogos Olímpicos de 2016.

Por: ForumSec21