31/10/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Especialista: álcool e tabaco são mais nocivos que maconha

O álcool e o tabaco causam maiores danos à saúde do que algumas drogas ilegais como a maconha, LSD e extasy, segundo um especialista britânico. David Nutt, professor do Imperial College London e presidente do comitê assessor do governo sobre abuso de drogas, acusou os políticos de "distorcer" e "desvalorizar" os resultados dos estudos científicos no atual debate sobre drogas ilícitas.

Nutt criticou também que alguns boletins tenham publicado relatórios exagerados sobre os supostos danos de algumas dessas drogas. Segundo o especialista, o álcool deve figurar como a quinta droga mais perigosa depois da heroína, cocaína, barbitúricos e a metadona, enquanto o tabaco aparece em nono lugar.

"A cannabis, LSD e extasy, mesmo sendo nocivas, estão mais abaixo na lista, em 11º, 14º e 18º, respectivamente", explica Nutt em um documento do Centro de Estudos sobre Crime e Justiça do King's College. Segundo Nutt, fumar maconha cria um risco "relativamente pequeno" de doença mental, mas o álcool e o tabaco são mais perigosos para a saúde. Um porta-voz do Ministério do Interior se distanciou das opiniões expressadas pelo cientista.

O governo britânico realizou no ano passado uma reclassificação dos diferentes tipos de drogas e situou à maconha no mesmo nível que as anfetaminas. Segundo a atual classificação, pertencem à classe A de drogas mais perigosas como extasy, LSD, heroína, cocaína, crack, cogumelos alucinógenos e as anfetaminas injetáveis.

Na classe B figuram as outras anfetaminas, além da cannabis e a Metilfenidato (Ritalina), enquanto entre na classe C, consideradas as menos perigosas, estão os tranquilizantes, alguns analgésicos e o cloridrato de cetamina (ketamina).

No Reino Unido, a classificação é importante também no ponto de vista da lei e da sanção penal: a posse de drogas da classe A pode levar a sete anos de prisão e multa ilimitada frente a um máximo de cinco anos para as da classe B e dois anos para as da classe C. O comércio é castigado ainda mais duramente: pode levar à prisão perpétua no primeiro caso e até quatorze anos de prisão para classe B e C.

Por: Efe