22/10/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Produção de alimentos precisa aumentar 70% até 2050, diz ONU

Aumento populacional exigirá mais investimento em alimentação

A produção mundial de alimentos deve aumentar em 70% nos próximos 40 anos para suprir a demanda crescente, de acordo com um relatório divulgado nesta segunda-feira pela FAO, a agência da ONU para alimentação e agricultura.

O órgão calcula que os governos de países em desenvolvimento precisam passar a investir anualmente US$ 44 bilhões em agricultura para alimentar uma população que calcula-se que será de 9 bilhões de pessoas em 2050. Atualmente, este investimento é de US$ 7,9 bilhões.

As mudanças climáticas e o êxodo para a cidades também devem contribuir para a falta de alimentos nos próximos anos, diz o relatório.

Aquecimento global

"O desafio não é apenas aumentar a futura produção global, mas aumentá-la onde ela é mais necessária", disse o diretor-geral da FAO, Jacques Diouf.

"Deve existir um foco especial em pequenos fazendeiros, mulheres e seu acesso à terra, água e sementes de qualidade, além de outros recursos modernos".

Efeitos das mudanças climáticas como secas e enchentes podem reduzir a produção agrícola em 30% na África e 21% na Ásia, diz a FAO.

A produção de alimentos também deverá competir com lavouras de biocombustíveis, que devem aumentar em 90% na próxima década.

"A agricultura mundial deverá enfrentar as consequências das mudanças climáticas, em especial do aumento das temperaturas, uma variação maior do regime de chuvas e fenômenos climáticos extremos cada vez mais frequentes", disse Diouf.

A FAO diz que estas mudanças devem reduzir a quantidade de água disponível e aumentar a incidência de pragas e doenças em plantas e animais.

Comentário do Jornal dos Amigos

No ritmo em que o governo Federal está imprimindo em defesa do MST, está claro que o destino do brasileiro é morrer de fome. Hoje à noite o jornal da TV Band apresentou dados referentes a assentamentos agrários no Brasil, que são ineficientes do ponto de vista de geração de renda, segundo pesquisa realizada pelo Ibope e divulgada pela Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) nesta terça-feira. De acordo com o levantamento, 72,3% deles não geram renda com a produção, dos quais 37% não produzem nada; 10,7% não produzem o suficiente para a família e 24,6% produzem apenas o suficiente para a família. A maioria depende do bolsa-família. Assim, apenas 27,7% dos assentamentos do país têm produção suficiente para o sustento de seus moradores com excedente para a venda, segundo a pesquisa. Responsabilidade e juízo ao governo brasileiro, é o que falta. Um outro dado não menos importante é a produção e distribuiçãode alimentos pelas grandes empresas que formam cartéis. Se a sua imaginação é fértil, pense no que pode acontecer...

Por: BBC Brasil