15/10/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Ministério do Meio Ambiente propõe cortar até 40% do CO2

O ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) apresentou na terça-feira (13) ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva uma proposta de reduzir em até 40% as emissões totais de gás carbônico do Brasil em 2020 em relação à tendência atual do país, sem prejudicar um crescimento médio nacional de 4% ao ano.

Esta deve ser a parte fundamental do "desvio significativo" da trajetória de emissões do país, que Lula prometeu na ONU que defenderia na conferência do clima de Copenhague, em dezembro.

Se encampada pelo Planalto, a proposta do Meio Ambiente equivalerá à meta brasileira contra o aquecimento global, e traria as emissões em 2020 de volta aos níveis de 1990.

"Metade desse corte (20%) poderá ser conseguido com uma redução de 80% no desmatamento da Amazônia até lá", disse à Folha Suzana Kahn Ribeiro, secretária de mudanças climáticas do MMA (Ministério do Meio Ambiente).

Os outros 20% viriam do controle do desmatamento de outros biomas, como o cerrado e a caatinga, e com uma renovação ainda maior da matriz energética nacional.

Caso nada seja efeito, daqui a 11 anos o Brasil estará lançando na atmosfera 2,8 bilhões de toneladas de gás carbônico.

A proposta de redução, porém, dependeria de um financiamento anual de cerca de US$ 10 bilhões, o que viria de de países desenvolvidos.

"Não podemos aceitar que coloquem nos países em desenvolvimento o peso sobre a redução da emissão de gases", disse Carlos Minc.

Na reunião de ontem com Lula, a proposta de Minc foi uma das três apresentadas. O Ministério de Ciência e Tecnologia e o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas também levaram suas ideias ao presidente, que sugeriu um consenso até o próximo dia 20.

O Itamaraty também participou da reunião de ontem. No entanto, somente o MMA trouxe números à mesa.

Diante do que foi apresentado em Brasília ontem, dois problemas iniciais surgem.

O real controle sobre o desmatamento é um deles. A implantação de políticas públicas eficientes para que a outra parte do corte sugerido ontem seja alcançado é outro gargalo.

O Brasil não tem um sistema eficiente de monitoramento da derrubada de outros biomas. No setor energético, também, a tendência recente tem sido a entrada em operação de usinas termelétricas, que sujaram em 30% a matriz energética nacional entre 1994 e 2007.

Efeito Marina - Presente à reunião, a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) fez pelo menos dois pedidos aos representantes dos ministérios. Que novos cálculos fossem feitos com uma taxa de crescimento anual maior, de até 6%, e que a política da construção de hidrelétricas fosse ainda mais fortalecida - cobrando de Minc agilidade nos licenciamentos.

O problema desse último desejo da ministra, como sabem os próprios representantes do MMA, é que grandes obras na região amazônica nem sempre primam pela preservação ambiental. "Mas isso é uma questão que precisa ser equacionada", diz Tasso Azevedo, consultor do MMA que montou os cenários apresentados.

Segundo relato de pessoas presentes à reunião, Dilma se espantou ao saber que o Brasil emite mais CO2 que o Japão.

Pré-candidata à Presidência da República, a ministra diz que irá a Copenhague, onde sua rival política, Marina Silva, é presença garantida.

Com o tema ambiental na agenda para a eleição de 2010, Lula também tem dado atenção especial ao clima.

Ontem o presidente tratou do assunto ao telefone com Barack Obama, a quem telefonou para parabenizar pelo Nobel da Paz. Lula e Obama se comprometeram a colocar em contato as equipes técnicas dos países nestas semanas que antecedem a conferência.

Por: Folha Online