06/10/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Aos 74 anos, morre a grande artista da resistência Mercedes Sosa

"Irmão, me dá tua mão/vamos juntos buscar/uma coisa pequenina/que se chama liberdade". A canção de J. Sánchez e J. Sosa, na voz imperiosa de Mercedes Sosa denota bem o intenso legado de amor à vida, resistência e desejo de liberdade deixado pela cantora, que morreu ontem, aos 74 anos, em Buenos Aires, Argentina.

Ícone latino-americano, Mercedes Sosa estava internada desde o dia 18 de setembro por problemas hepáticos. Nos últimos dias apresentou um quadro mais preocupante, com complicações pulmonares que debilitaram seus órgãos vitais.

Considerada a voz da canção de protesto nos anos 70 e 80, a cantora atuou intensamente na resistência contra a ditadura. Foi exilada e mesmo assim não deixou de brilhar nos palcos de todo o mundo. Durante 60 anos de carreira, a cantora circulou por diversos gêneros musicais, tanto que em seu último álbum, que não chegou a ser lançado oficialmente, faziam participações artistas como Caetano Veloso, Shakira e Joan Manuel Serrat.

Sosa foi uma das vozes mais representativas da música popular argentina e da América Latina e mesmo com o ecletismo a cantora manteve uma forte ligação com o folclore, música argentina característica do interior.

O corpo da artista foi velado na sede do Congresso Nacional, em Buenos Aires. Hoje um cortejo fúnebre seguiu para o cemitério da Chacarita, onde uma multidão de fãs, artistas e admiradores a aguardava. Após o ato religioso, o corpo de Mercedes foi cremado em uma cerimônia íntima. As cinzas da artista serão espalhadas pela cidade de Buenos Aires, Mendoza e Tucumán, sua província natal, como foi seu desejo em vida.

Por: Adital