11/08/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Campanha quer mobilização em defesa de crianças e adolescentes que vivem na rua

No final de 2005, foi lançada nacionalmente no Senado Federal a Campanha "Criança não é de Rua", que tem como objetivo fazer uma mobilização nacional em defesa dos direitos de crianças e adolescentes em situação de rua e construir uma nova realidade para esta parcela da população. Desde seu lançamento, a Campanha já conseguiu a adesão de 400 entidades nacionais que estão dispostas a propor mudanças imediatas e de longo prazo para criar e viabilizar alternativas concretas à vida nas ruas.

Por meio de seminários estaduais, de fóruns de discussão e do site oficial, a Campanha tenta abrir os alhos da população para a existência e urgência do problema. Em todo o mundo, crianças e adolescentes têm seus direitos violados e se submetem à rua para fugir da fome, da violência e do descaso.

Como não há dados estatísticos oficiais que quantifiquem este problema, uma das principais reivindicações da Campanha é que o governo Federal financie a realização de uma pesquisa de abrangência nacional que utilize um conceito único e uma mesma metodologia. Com o diagnóstico, será possível a criação de um programa nacional. Além de conhecer e quantificar este público, a pesquisa também pode possibilitar o planejamento e a criação de políticas públicas. Em todos os 24 seminários estaduais realizados até agora, a urgência dessa pesquisa tem sido consensual.

"Como é possível criar uma política nacional para resolver a situação se não sabemos quantas crianças e adolescentes estão em situação de rua? É preciso conceituar, quantificar e traçar um perfil para atender as crianças e suas famílias", explica Adriano Ribeiro, coordenador e articulador da Campanha.

Uma parceria entre a Campanha e o Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará (UFC) deu origem à pesquisa ‘Censo de exclusão ou falta de inclusão nos censos? A (in)visibilidade de meninos e meninas em situação de moradia de rua nas capitais brasileiras’. O esforço conjunto conseguiu reunir numa obra todos os dados disponíveis relativos à quantidade de crianças e adolescentes em situação de moradia na rua.A estimativa é que, no Brasil, existam hoje cerca de 25 mil crianças e adolescentes morando nas ruas.

De acordo com Adriano, depois de percorrer todas as capitais brasileiras com os Seminários Estaduais a Campanha realizará um Seminário Nacional para formular as bases do programa nacional de Enfrentamento à Situação de Moradia nas Ruas de Crianças e Adolescentes, documento que será entregue ao governo Federal. "Quando nossa ideia for comprada é preciso força e saber como reivindicar", explica.

"Daqui a algum tempo, crianças e adolescentes vão estudar nos livros que o ano de 2009 foi um ano marco para o respeito aos direitos infanto-juvenis", finaliza Adriano.

Mobilização

No dia 8 de abril deste ano, a campanha promoveu uma ação de sensibilização simultânea em dez estados brasileiros: Fortaleza (CE), Goiânia (GO), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Manaus (AM), Nova Iguaçu (RJ), Palmas (TO), Recife (PE), São Luís (MA) e Teresina (PI). Durante a mobilização foi apresentada uma encenação em que os protagonistas conduziam cruzes de madeira que simbolizavam o sofrimento diário das crianças que não têm onde morar.

Por: Adital