16/06/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Ações do governo demonstram foco no turismo

FAT libera R$ 200 milhões para turismo

A partir do dia 15 de junho, empresas do segmento de turismo já contam com uma linha de crédito especial para financiar o capital de giro. São R$ 200 milhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para empreendimento do setor, conforme anunciou hoje (8), o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi.

Cada empresa poderá fazer empréstimos de até R$ 5 milhões, que devem ser pagos em até três anos, com período de 18 meses de carência. Os empréstimos terão dois tipos de juros: uma taxa pós-fixada de até 2,8% mais Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) ou taxa pré-fixada de até 8,5% ao ano.

De acordo com o setor, a linha de crédito facilita o acesso ao capital de giro que, aliado ao incremento nas vendas, pode favorecer novas contratações.

“As pessoas que têm uma certa apreensão, com a possibilidade de crise - que não nos afetou muito - terão mais facilidades de crédito”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Agência de Viagem (Abav), Carlos Alberto Amorim.

Para ter acesso ao dinheiro, os empresários têm que se comprometer a manter ou ampliar os postos de trabalho. Caso contrário, o governo antecipa o vencimento dos contratos de financiamento. “Todos os recursos do FAT têm essa obrigatoriedade contratual e isso é muito fácil de acompanhar porque temos medições mensais dos contratos e das demissões”, disse Lupi.

Ministério cria grupo para incentivar turismo em parques nacionais

Brasília - O governo publicou na edição do dia 22 de maio do Diário Oficial da União a criação do grupo de trabalho que vai incentivar o turismo nos parques nacionais.

Segundo a Portaria n.º 171, do Ministério do Turismo, a comissão será responsável por acompanhar os investimentos nos parques nacionais, sensibilizar a população da importância de se preservar a biodiversidade e estabelecer mecanismos de promoção do turismo de forma integrada com as políticas e projetos desenvolvidos nessa área.

O grupo tem dois anos para a conclusão dos trabalhos. O prazo pode ser prorrogado por igual período.

Serviços ligados ao turismo geraram R$ 149,6 bilhões em 2006, mostra IBGE

Alana Gandra

Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - As atividades voltadas para o consumo turístico responderam pela geração de R$ 149,642 bilhões em 2006, com incremento de 11,5% sobre o ano anterior, segundo o estudoEconomia do Turismo: Uma Perspectiva Macroeconômica 2003/2006, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje (3).

Os dados mostram que o turismo teve participação de 7,1% no valor da produção do setor de serviços no Brasil naquele ano. Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma dos bens e serviços produzidos no país, a participação das atividades características do turismo foi de 3,6%.

Os grupos de atividades de serviços turísticos com maior participação no valor da produção foram alimentação, transportes rodoviários e lazer, alcançando, respectivamente,40,94%, o que corresponde a R$ 61,279 bilhões;17,67% (R$ 26,422 bilhões); e 13,82% (R$ 20,682 bilhões).

Alimentação também foi a atividade que teve a maior participação (36,36%, com R$ 26,856 bilhões) no total de R$ 73,868 bilhões gerados de valor adicionado pelas atividades características do turismo em 2006. Em relação ao setor de serviços, a participação das atividades voltadas ao consumo turístico foi de 5,5%, representando 3,6% do valor adicionado da economia nacional.

A pesquisa do IBGE mostra, também, que houve evolução no valor da produção das atividades de serviços relacionadas ao turismo desde 2003. Naquele ano, o turismo gerou R$ 113,284 bilhões, respondendo por 7,6% do valor da produção do setor de serviços e por 3,8% do valor gerado pela economia nacional. No ano seguinte, foi registrado crescimento de 6,7%.

Já em 2005, o valor da produção oriundo das atividades características do turismo cresceu 11% em comparação ao ano anterior, com destaque para o segmento de aluguel de bens móveis, com alta de 24,1%, e as atividades de agências e organizadores de viagens (22,3%).

Em 2006, a expansão do valor de produção atingiu 11,5% sobre o ano anterior. Aluguel de bens móveis e serviços de alimentação foram os setores que apresentaram as maiores variações positivas no valor da produção, atingindo, respectivamente, 21,2% e 21,1%.

Por: Agencia Brasil