21/05/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Turismo é plataforma para desenvolver

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro do Turismo, Luiz Barretto, e o governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira, abriram no fim da tarde desta quinta-feira (14), em Florianópolis (SC), a 9ª Conferência Global de Viagens e Turismo, encontro dos cem maiores líderes mundiais do mercado turístico.

Para o ministro do Turismo Luiz Baretto,“as perguntas são muitas e não há soluções mágicas” para atravessar um momento difícil, mas o Brasil experimenta estratégias que vem ajudando a driblar a tendência de desaceleração. “Oitenta e cinco por cento da atividade turística deste país é sustentada pelos próprios brasileiros. É esse grande mercado consumidor interno que explica os bons resultados do turismo brasileiro mesmo diante do cenário internacional adverso e da retração econômica nos mais importantes centros emissores”, afirmou.

O presidente Lula afirmou acreditar que a indústria turística tem importante expressão nacional, portanto jamais será tratada como setor menor da economia. Ele avaliou o turismo nacional como “uma indústria nova, que tem muita força” e garantiu que desde a criação do Ministério do Turismo, em 2003, o setor nunca havia sido levado tão a sério. “O Brasil não trata mais o turismo como discurso ou questão eleitoral. O turismo brasileiro agora é uma política independente”, definiu, ao lembrar que a Pasta já foi ligada aos ministérios da Agricultura, do Esporte, e da Indústria e Comércio. “Temos passos importantes a dar e o Ministério do Turismo vem trabalhando com importantes estratégias de desenvolvimento. (...) Estamos ávidos para recuperar o tempo perdido”, complementou.

Já para o governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira, o Brasil deve aproveitar os “claros sinais de mudança” emitidos pela economia para impulsionar a expansão do mercado turístico. Segundo ele, o Turismo se beneficiará de transformações que farão do turismo e do lazer, no futuro próximo, mercados condutores da geração de emprego e renda no país. Essas mudanças farão com que países como o Brasil “andem realmente à frente do seu tempo”, disse o presidente executivo do WTTC, Jean-Claude Baumgarten.

No Brasil, a atividade tem se desenvolvido “cada vez mais e melhor”, defendeu Barretto. Em 2008, o Turismo empregou mais de 2 milhões de trabalhadores. As vagas novas somaram 106 mil - 5,7% a mais do que em 2007. O fluxo turístico internacional também aumentou no ano passado. Mais de cinco milhões de estrangeiros visitaram o país, injetando quase seis bilhões de dólares na economia nacional, quantia 16,8% superior ao número de 2007.

Lula enfatizou que o setor, no país, desfruta de um crescimento combinado entre o turismo doméstico e o internacional, e por isso os efeitos da crise financeira e da nova gripe não devem conter o progresso do setor no Brasil. “Sempre pode ter um efeito no turismo porque as pessoas ficam com medo do que vai acontecer no futuro (...). Mas a economia do país está extraordinariamente melhor. (...) Essa crise mostrou quem é quem”, considerou.

O presidente contou, ainda, que está conversando com vários governadores para elaboração de uma política de recuperação da aviação regional brasileira. Para ele, o estímulo reforçaria a economia do país, à medida que cria facilidades para o desenvolvimento do turismo. “Criar condições para pessoas viajarem é um esforço do qual o governo federal não vai abrir mão”, disse.

DESAFIOS PÚBLICOS E PRIVADO

Uma centena de líderes globais discute os desafios do setor público e da iniciativa privada para a indústria do turismo durante o 9ª encontro do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC, na sigla em inglês), que vai até sábado (16) em Florianópolis (SC). Painéis de trabalho devem abordar temas como o impacto da crise financeira sobre os negócios do setor e da nova gripe sobre a demanda turística.

O evento é promovido pelo WTTC em parceria com o Ministério do Turismo, o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) e o Governo de Santa Catarina. Pela primeira vez, o mundial é sediado por uma cidade latinoamericana.

O livro da foto de ilustração é Ecoturismo: Impactos, potencialidades e possibilidades

Autor: Stephen Wearing e John Neil

Sinopse: O livro aposta no ecoturismo como atividade potencialmente capaz de minimizar problemas atuais da nossa sociedade, notadamente os relacionados com a conservação do meio ambiente e a sustentabilidade.

De fácil leitura, a publicação mostra a necesssidade do desenvolvimento do ecoturismo dentro das matrizes de um turismo qualitativo e de interpretação, contrárias ao turismo de massas. Ao prover significados a um atrativo natural, superando a visitação meramente contemplativa, se favorece o respeito, a educação ambiental e a sustentabilidade.

Além de profissionais e estudantes de turismo, grupos ambientalistas, administradores de áreas protegidas, acadêmicos e planejadores também poderão fazer bom uso desta leitura.

Editora: Manole

Número de páginas: 278

Valor: R$ 40,00

Área: ecoturismo, meio ambiente, turismo sustentável

Contato: www.manole.com.br

Por: Ministério do Turismo