15/05/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Amazônia não pode ser salva pela polícia, diz Mangabeira

O ministro da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Mangabeira Unger, afirmou na quinta-feira (14) que a Amazônia brasileira não pode ser salva pela polícia, o que justifica a necessidade de uma “revolução” no extrativismo local.

“Não haverá preservação sem desenvolvimento nem desenvolvimento sem preservação. Não é um problema de lei. Temos que fazer tudo ao mesmo tempo. O problema prioritário é o controle da terra. Se não resolvermos isso, nada mais funcionará”, disse, ao participar de entrevista a emissoras de rádio no programa Bom Dia, Ministro.

Ao comentar o primeiro ano do Plano Amazônia Sustentável (PAS), Mangabeira avaliou que já podem ser observados efeitos positivos na região. Ele reconheceu, entretanto, que a região permanece um “caos fundiário”, uma vez que apenas 4% das terras particulares estão regularizadas.

Lançado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia 8 de maio de 2008, o PAS prevê a implementação de um novo modelo de desenvolvimento na Amazônia brasileira. Para o ministro, o plano requer a conciliação de “muitas idéias e muitos interesses”, mas o essencial é adotar medidas que favoreçam posses de pequenos e médios proprietários.

Ele ressaltou que a estratégia do governo será ampliar o quadro de responsáveis pela fiscalização na Amazônia, além da colaboração do Exército brasileiro e de estados e municípios. “Só assim vamos dar conta do recado.”

Mangabeira destacou que a regularização fundiária e ambiental é um problema não apenas na Amazônia, mas em todo o país, o que acaba virando “um jogo de pressão, de influência e de sufoco”. Para ele, a falta de alternativas para a população, sobretudo, amazônica, leva a atividades que resultam em desmatamento, como a pecuária extensiva e a exploração ilegal de madeira.

Paula Laboissière

Por: Agência Brasil