05/04/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Estrangeiros dizem que Brasil é embrião em educação ambiental

Observadores internacionais participam da conferência em Goiás.

Goiás - Como um dos 70 observadores internacionais na 3ª Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente, Felisberto Viegas quer levar para seu país de origem, São Tomé e Príncipe, na África, experiências adquiridas em meio a alunos de 11 a 14 anos da rede fundamental de ensino brasileira.

"O Brasil funciona como um embrião e é preciso dividir as experiências boas."

Para Viegas, discutir educação significa discutir mudanças de comportamento, enquanto discutir educação ambiental é discutir o futuro.

"Para que os mais novos possam instruir os mais velhos", afirmou, após ressaltar a necessidade global de colocar o discurso ambiental em prática.

Fernando Saldanha, observador de Guiné-Bissau, na África, garantiu que, a partir dos documentos produzidos pelos estudantes brasileiros, seu país irá preparar uma delegação para a Conferência Internacional Infanto-Juvenil pelo Meio Ambiente, prevista para junho de 2010, em Brasília. "Teremos conhecimentos que vamos duplicar em nossos países."

Na opinião de Saldanha, a vantagem de trabalhar o tema em meio a cerca de 700 crianças e adolescentes brasileiros é que a compreensão dos mais novos acontece de forma mais fácil. "Eles vão crescer e assumir responsabilidades sociais e políticas."

Por: Agencia Brasil