09/04/2007 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Pipa, a arte de fazer e de se encantar

Cercada de encantamento e magia, a pipa está diretamente ligada ao sonho de voar, à liberdade. Em pleno século XXI, elas continuam ganhando os céus de todo o mundo – seja em Copas do Mundo, em Festivais, ou nas mãos do menino que brinca, e faz bailar uma das mais antigas invenções do homem.Além do aspecto puramente lúdico, de lazer e encantamento, as pipas, ao longo da história, tiveram uma importância fundamental nas pesquisas e descobertas científicas: a descoberta da eletricidade, medirtemperaturas, velocidade do vento, a primeira transmissão de rádio, o primeiro avião...

A Pipa, as guerras e a história

A pipa surgiu na China, mil anos antes de Cristo, como forma de sinalização militar.Dali foi para o Japão, Índia, Europa, sendo utilizada como brinquedo, instrumento de defesa, objeto artístico e de ornamentação. Ganhou lugar cativo na história em 1752,quando foi utilizada por Benjamin Franklin para demonstrar a eletricidade – ele amarrou uma chave na pipa durante uma tempestade. Nós, brasileiros, conhecemos as pipas através dos colonizadores portugueses por volta de 1596. Há indícios de ter sido utilizada em quilombos para avisar a chegada de caçadores de escravo fugitivos.

Nos países orientais continua sendo grande a utilização de pipas com motivos religiosos e místicos, como atrativo da felicidade, sorte, nascimento, fertilidade e vitória.

A história das pipas é recheada de mistérios, de lendas, símbolos e mitos. Conhecida como quadrado, pipa, pião, papagaio, pandorga, barrilete, arraia ou outro nome, dependendo da região ou país, ela é uma velha conhecida de brincadeiras infantis.

A Arte de fazer e se encantar

Aos 49 anos, Careca -como gosta de ser conhecido entrea garotada - é pipeiro profissional: conheceu a ‘Arte de fazer pipas’ aos 8 anos através de um tio, e nunca mais deixou as pipas. Seu sonho de menino ganhou os céus e virou realidade através das pipas.

- “Meu sonho era estudar num colégio caro do Rio de Janeiro; minha família não tinha como pagar, e eu resolvi fazer pipas pra vender. Terminei meus estudos no colégio dos meus sonhos, e ainda paguei a faculdade com as pipas! Nestes 41 anos de amor à pipa, conheci muita gente, viajei, e pude constatar que não há nada mais democrático do que esta milenar arte: não existe idade ou classe social.”

No Rio há muitas famílias que complementam a renda fazendo pipas; em Minas Gerais, existem cidadezinhas que têm como economia principal a fabricação de varetas para pipa. Há milhares de famílias no país cuja renda está ligada direta ou indiretamente ao fabrico de pipa: vai desde a plantação de bambu para confecção de varetas até o corte de papel para rabiolas. Hoje em dia existem muitas fábricas de pipa, mas a grande maioria continua sendo feita artesanalmente.

Escola também é lugar de pipa!

Brinquedo barato, de fácil confecção... mas se enganam os que acham que é só colar varetas e papel: a pipa é um maravilhoso objeto aerodinâmico. Para que ela não seja apenas um enfeite e alcance as alturas, é preciso seguir determinadas regras; nada que nossos meninos não aprendam rapidamente!

No Colégio Anchieta, em Nova Friburgo, as aulas de artes- os pátios da Escola, e o céu - ganharam colorido especial: alunos do 8º e 9º ano desvendaram os segredos da pipa. Meninos e meninas entre 12 e 15 anos se encantaram com a história e a possibilidade de confeccionar seu próprio brinquedo e fazer voar. Mais do que uma simples oficina de pipas, foi o resgate da história, da infância, e a maior de todas as descobertas: que para brincar não é preciso ser criança! Careca, que também participou da oficina, conclui:

- “Quando vejo uma criança construir sua pipa e soltar,além de ver a continuidade da história da pipa, vejo no menino que cria, um futuro homem que tem a ousadia de concretizar seus sonhos.”

O pai que solta uma pipa com seu filho jamais esquece

Seja comprada ou confeccionada por nós mesmos, brincar ao sabor dos ventos ainda continua sendo fascinante! Basta olhar os céus em época de férias escolares, freqüentaros festivais de pipa, ou acompanhar, mesmo que pela mídia, os festivais internacionais ou a Copa do Mundo de Pipas...Pipa é coisa séria! Deveria ser experimentada por todos!

O céu de Nova Friburgo já foi cenário de muitos encontros de pipeiros promovido pelo Sesc. Em 2007, pelo segundo ano consecutivo, um apaixonado por pipa promove Festival, com direito a premiação e diversão garantida. Moacir Poletti conta que a idéia surgiu da vontade de promover um evento que pudesse unir pais e filhos: a pipa foi eleita!

- “Quando pensamos neste evento, queríamos algo que aproximasse pais e filhos; juntamos a milenar arte de soltar pipas, o prazer, e a ajuda ao próximo. Para participar, a pessoa deve contribuir com 1kg de alimento não perecível.Os alimentos arrecadados são doados para a Igreja Metodista de Olaria, que repassa às famílias carentes do bairro em forma de cestas básicas. Este evento não tem idade nem classe social, basta gostar de brincar e soltar pipas!”

A pipa representa a vontade de voar do homem; fazer a pipa voar, é dar asas a imaginação, é ultrapassar limites, desafiar o tempo e usá-lo a seu favor, é fazer do brinquedo a extensão de seu corpo e de seus sonhos.

2º Festival de Pipas

de Nova Friburgo

Local: Via Expressa

Dia 01 de abril, a partir das 10 horas.

Há premiação para a pipa mais bonita, a mais original, a maior e as melhores manobras.

Inscrição: 1 Kg de alimento não perecível

Tel contato: (22) 2521-4934 / (22)9224-4510 / (22)8112-5709

Por: ForumSec21 - Jeany Amorim