12/02/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Recursos necessários para resposta à Aids devem ser maiores em 2010

US$ de 25 bilhões serão necessários para a resposta mundial à Aids nos países de renda baixa e média em 2010, correspondendo a um investimento de US$ 11,3 bilhões a mais que a soma disponível atualmente, segundo afirmou o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/SIDA (ONUAIDS) em seu último informe intitulado "De que os países necessitam: os investimentos requeridos para alcançar as metas de 2010".

Os investimentos requeridos são baseados nas metas estabelecidas pelos países para alcançar o acesso universal à prevenção, ao tratamento, à atenção e ao apoio relacionados com o HIV em 2010. Segundo o informe da ONUAIDS, cerca de uma terça parte desses fundos procederá de fontes nacionais. Os outros US$ 17 bilhões serão de fontes multilaterais e bilaterais.

Além disso, o programa das Nações Unidas evidencia que, do total de investimentos requeridos, aproximadamente um terço será destinado a atividades relacionadas com a mudança de comportamento, os fatores sociais impulsionadores da epidemia, a mitigação social e outros serviços fora do sistema sanitário administrados por meio de programas multisetoriais.

Outra terça parte dos recursos será dirigida ao fortalecimento dos sistemas de saúde. E o restante beneficiará os serviços de saúde específicos para o HIV, como os programas para reduzir a transmissão materno-infantil do HIV, para a segurança hematológica e para a receita de terapia antirretrovírica para os que necessitam.

A estimativa do ONUAIDS é de que cerca de US$ 11,6 bilhões sejam necessários para a prevenção do HIV e outros US$ 7 bilhões para o tratamento da Aids. Caso os recursos sejam captados, a ONU estima que, em 2010, cerca de 6,7 milhões de pessoas recebam tratamento antirretrovírico; mais de 70 milhões de mulheres grávidas sejam submetidas aos exames de detecção do HIV e recebam serviços de prevenção da transmissão materno-infantil; 20 milhões de homens que se relacional com homens, 7 milhões de profissionais do sexo e 10 milhões de usuários de drogas injetáveis sejam beneficiados com serviços de prevenção do HIV.

Além disso, os recursos ainda ajudarão os sete milhões de órfãos de pais falecidos por HIV e cerca de 8,1 bilhões de preservativos masculinos e femininos serão distribuídos. Como resultado dessas conquistas, a agência prevê que 2,6 milhões de novas infecções por HIV serão evitadas, a incidência do HIV se reduzirá em cerca de 50% e 1,3 milhões de mortes serão evitadas.

O informe conclui afirmando que o acesso universal deve ser uma realidade para as pessoas que são vulneráveis à infecção pelo HIV e as pessoas que vivem com o HIV e seus entes queridos. Ressalta que os investimentos já realizados estão dando frutos e o momento atual é de ampliação dos recursos e não de sua redução.

Em 2007, cerca de 33 milhões de pessoas viviam com o HIV, de acordo com dados do ONUAIDS. O número de novas infecções por HIV alcançou os 2,7 milhões e o de falecimentos relacionados à Aids chegou a 2 milhões no ano de 2007. A África Subsaariana possui 67% de todas as pessoas que vivem com HIV no mundo.

Por: Adital