11/02/2009 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Professor cobra do governo ações de incentivo à energia solar

O uso da energia solar somente nos chuveiros no país aumentaria a demanda por coletores térmicos em 8 milhões de metros quadrados, afirmou o professor do Departamento de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Sérgio Colle, em entrevista à Rádio Nacional.

Atualmente a produção brasileira desses coletores, segundo o professor, está em 700 mil metros quadrados por ano. “O governo federal nunca pensou em aproveitar a energia solar até para reduzir o consumo de energia dos chuveiros elétricos”, afirmou o professor.

Para Colle, falta integração dos gestores públicos de política enérgica e a comunidade científica para promover o uso de energia renovável. “Esse ligação é muito forte em todos os países desenvolvidos”, afirmou. De acordo com ele, no Brasil a comunidade científica faz a sua parte, mas falta apoio do governo.

Portugal dará incentivos para famílias usarem painel solar

Lisboa, 11 fev (Lusa) - O primeiro-ministro português, José Sócrates, anunciou nesta quarta-feira benefícios fiscais e facilidades no acesso ao crédito bancário para as famílias que instalem painéis solares. O programa pretende atingir 65 mil habitações em 2009, num investimento de 225 milhões de euros (R$ 653,11 milhões no câmbio atual).

Sócrates afirmou ainda que o Governo vai ordenar a realização de auditorias sistemáticas de eficiência energética nos edifícios públicos a partir de março, abrangendo hospitais, universidades e instalações de Defesa Nacional.

As medidas do programa para a energia foram anunciadas pelo premiê no debate quinzenal realizado pelo Parlamento português.

Segundo o premiê, as famílias que entenderem instalar em 2009 painéis solares térmicos nas suas casas contarão "com um triplo benefício". "Pagarão menos de metade do custo do equipamento, verão a sua fatura energética anual reduzir-se em mais 20% e terão ainda um benefício fiscal de 30% do custo de investimento do primeiro ano".

Sócrates adiantou que estas famílias poderão recorrer ao crédito bancário para financiamento dos painéis "em condições preferenciais já a partir do próximo mês". Além disso, disse que está prevista "a criação de cerca de 2.500 postos de trabalho".

O primeiro-ministro explicou ainda que a primeira etapa do programa de eficiência energética para os edifícios públicos, a partir de março, prevê auditorias sistemáticas a 100 edifícios públicos, que são considerados grandes consumidores de energia, entre os quais se contam universidades, hospitais ou instalações de Defesa nacional.

Por: Agencia Brasil / Lusa