24/08/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Cresce o número de universitários de baixa renda

Uma pesquisa do Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade (Iets) indica que está aumentando a participação de jovens de baixa renda na educação universitária. Poucos dias antes, foi divulgado um estudo em que a Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Brasil considera que houve, no país, um incremento da "classe média".

No estudo, estabelece-se que são "pobres" aqueles que têm uma renda menor que 665 dólares por mês. No entanto, a categoria ficou em discussão devido a que não se pode considerar "pobre remediado" uma pessoa que supera essa renda, quando o resto de seu núcleo familiar está por baixo.

O Instituto de Estudo de Trabalho e Sociedade, por sua vez, compilando dados oficias, chegou a conclusão de que, entre 2004 e 2006, a participação de jovens cujas famílias ganham salários mínimos saltou de 10,1% para 15,1%. Segundo especialistas, há dois fatores que explicam essa mudança no acesso às universidades.

O primeiro seria o ProUni, um programa do governo que apóia a juventude menos favorecida a entrar na educação superior. O outro seria a expansão das vagas nas universidades públicas, fruto dos investimentos em novas universidades e demais instituições de educação em várias partes do país.

A nota é da Pulsar.

Por: Adital