15/08/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Lula propõe que se use dinheiro do pré-sal "com os pobres"

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta quinta-feira (14) que os recursos da megajazida de petróleo na camada pré-sal devem ser usados "com os pobres, que não são poucos”. Para Lula, é preciso discutir "quem vai explorar esse petróleo, se o lucro vai ficar apenas para uma empresa ou se parte desse lucro vai ficar para fazer as reparações históricas”.

"O que vamos fazer com esse petróleo? Vender pura e simplesmente, quem quiser vir aqui tirar petróleo que venha e pode levar o quanto quiser?”, perguntou Lula, para em seguida responder: “Não. Deus não nos deu isso para que a gente continue fazendo burrice. Deus deu um sinal. Mais uma chance para o Brasil”, afirmou o presidente, ao discursar em Barcarena, no Pará.

"O petróleo é da União"

Lula entrou na polêmica aberta no país, sobre o que fazer com a megajazida descoberta em dezembro último (a alternativa é entregá-la à Petrobras ou criar uma nova empresa, 100% da União). "Achamos petróleo no pré-sal. Alguns acham que o petróleo é da Petrobras. O petróleo é da União, a Petrobras é da União embora tenha acionistas menores. Vamos fazer o quê, vender simplesmente?"

A controvérsia sobre o que fazer com os recursos está esquentando. Nesta quarta-feira, o jornal O Estado de S. Paulo noticiou que Mudança de regras revolta acionistas (da Petrobras). O texto classifica de "complô" a idéia de que "devemos aproveitar esses recursos extraordinários para investir em educação". E dá espaço a um acionista, Gilberto Esperaldo, para quem "a Petrobras tem direito adquirido no pré-sal".

O presidente também citou a Noruega, mostrando simpatia pela "solução norueguesa", que consiste em criar uma empresa 100% estatal para gerir as reservas. "Eu não tenho inveja da Noruega porque lá tem petróleo ou tecnologia, eu tenho inveja porque a renda per capita é de US$ 76 mil (por ano). Quem sabe, com mais o pré-sal, a gente possa fazer com que a renda per capita suba e faça o povo brasileiro mais feliz", comentou.

Hora de pagar a dívida com os pobres

O presidente voltou a lembrar que o país tem “uma dívida histórica com a educação do seu povo, com os pobres, que não são poucos. É preciso que a gente aproveite esse momento e tente discutir como vamos utilizar esse petróleo, quem vai explorar esse petróleo, se o lucro vai ficar apenas para uma empresa ou se parte desse lucro vai ficar para fazer as reparações históricas”, completou.

De acordo com Lula, os jovens brasileiros farão parte de uma geração que verá o país crescer por pelo menos 15 anos consecutivos. Mas o presidente também criticou a desigualdade histórica de investimentos nas regiões brasileiras. “Aí o Brasil vai ficando inchado de um lado, aquele amontoado de riqueza cercado de pobres por todos os lados. Nordeste e Norte foram vítima desse pensamento”, disse o presidente, para uma platéia amazônica.

As declarações do presidna, no Pará, onde participou da cerimônia de inauguração da expansão da refinaria Alunort, controlada pela Vale do Rio Doce, e do anúncio de instalação de uma siderúrgica em Marabá (PA).

Na quarta (13), a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, participante do grupo ministerial que excamina a questão, disse que as reservas de petróleo do Brasil podem ser usadas para "resolver definitivamente" os problemas da educação. "É a diretriz estratégica fundamental, ou seja, a quem servirá esse imenso recurso que transformará o Brasil de país importador de petróleo num país que, seguramente, pode vir a ser um dos grandes exportadores e com posicionamento num mundo diferenciado", afirmou Dilma.

Por: Vermelho