30/07/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Cidadãos conscientes separam o seu lixo

É chegada a hora do cidadão comum dar sua parcela de ajuda ao meio ambiente. E uma das questões prioritárias, que envolvem consumo e poluição, é a questão do lixo. Além de uma redução no consumo (consumo consciente) e da reutilização, o cidadão deve separar o seu lixo. Num saco, coloca-se os restos de alimentos, cascas de frutas e vegetais, enfim, o lixo orgânico e molhado. Num outro saco, colocam-se as caixas, embalagens, vidros, papéis, plásticos e metais. Neste segundo caso deve-se lavar as embalagens para retirar os resíduos orgânicos e o ideal é que se leve este segundo lixo para os ecopontos.

Nestes dias em que a mídia tem discutido questões ambientais que podem colocar em risco o futuro do planeta como a sobrevivência da Amazônia, a inclusão dos EUA no Protocolo de Kioto e o crescimento predatório da China entre outros, precisamos refletir se a população compreende a importância disto tudo.

Todas estas questões sãoimportantes e merecem a nossa atenção, mas existem aspectos ambientais que são mais urgentes, próximos e imediatos. Por exemplo, a responsabilidade de cada um, que vive em uma sociedade de consumo.

A Pegada Ecológica

A Pegada Ecológica é um conceito que tem cada vez maissido utilizado para definir o quanto cada ser humano é responsável pela degradação do planeta. Este conceito foi utilizado a primeira vez por William Rees, um ecologista e professor canadense da Universidade de Colúmbia Britânica para definir a quantidade de terra e água que seria necessária para sustentar as gerações atuais, tendo em conta todos os recursos materiais e energéticos gastos por uma determinada população.

Olhando o problema ambiental por esta perspectiva percebemos que a resposta para os grandes problemas ambientais do planeta esta intimamente ligado a nossas vidas. Particularmente neste texto vamos falar do problema ambiental considerado por muitos estudiosos o impacto mais latente de nossa sociedade.

Vamos falar do impacto ambiental gerado por cada um de nos, todos os dias e não damos folga nem mesmo no fim de semana. Vamos falar do lixo.

A questão do lixo

Para começar é importante levantar alguns dados:

1 · Cada cidadão médio é responsável pela produção média de 1,2 Kg de lixo diariamente.

2 · Nova Friburgo, por exemplo,acomoda em seu aterro sanitário em média 200 toneladas de lixo por dia

3 · 72,73 % das cidades brasileiras com mais de 50 mil habitantes ainda dispõe seu lixo em lixões sem nenhum tratamento.

4 · O resultado dos diversos materiais encontrados em nosso lixo produz o que chamamos de chorume. Um liquido escuro altamente tóxico para a natureza.

5 · Além do chorume o lixo produz gás metáno que é 25% mais estufa que o CO²

Como deu para perceber, além do lixo ser uma agressão ambiental que está presente constantemente em nossas vidas, sua aura de impacto não cobre somente um dos setores da natureza. O solo, as água e a atmosfera sofrem com a produção e mais ainda com a má disposição do lixo em locais não adequados.

Além disso o lixo afeta o controle populacional dos animais. O ururbú é uma espécie bastante associada ao lixo, muitas vezes enxergado como um animal sujo e sem valor.A população de urubús é bastante alterada pela existência de lixo a céu aberto, pois estes animais tem como fonte de alimentos carcaças de animais mortos na natureza (o que é um serviço ambiental bastante relevante) e no caso de um ambiente de lixão os restos de carne dispostos no lixo pela população.

Portanto quanto mais lixo mais urubú. Mais não é só a população de urubús que cresce nesta realidade, os ratos também se aproveitam da fartura de alimentos e se multiplicam. Na idade média a Peste Negra (Peste Bubônica), uma doença causada pela urina do rato matou aproximadamente 25% da população européia, que nesta época jogava seu lixo de qualquer forma na rua, trazendo assim o rato para o convivio das pessoas.

Este é um fator que transcende o impacto do lixo, pois além de ambiental ele também tem consequências sociais. Mas não adianta só ficar falando sobre os problemas do lixo, precisamos pensar em soluções. Para isso vamos pensar de maneira prática, observando a natureza. Tente responder a pergunta a seguir antes de continuar a ler este texto.

A natureza produz lixo?

A resposta é sim. As árvores perdem folhas, animais trocam de pele e pelo e tudo isso é o que não serve mais para eles, portanto é lixo. Mas a natureza não tem nenhum lixão ou aterro de lixo que produz chorume ou gás metano na proporção dos depósitos de lixo de nossa sociedade. Mas qual é o segredo então?

Simples, é tudo reciclado. Todas as vezes que a natureza produz um tipo de lixo entra em ação um conjunto de organismos que cuidam da reciclagem destes residuos. São os chamados decompositores, fungos e bacterias que transformam o material descartado em nutrientes para o solo. Isso é chamado de ciclo de nutrientes. Mas antes de entrar na reciclagem, vamos falar de outras iniciativas que podemos tomar em relação ao lixo:

Os Tres Rs: Reduzir, Reutilizar e Reciclar

Reduzir:

Se o lixo é um problema, o melhor resíduo que existe é o que não foi gerado. Pena que é impossível viver sem produzir restos, mas é possível diminuir a quantidade produzida.

Em primeiro lugar é preciso compreender em que medida o consumo é necessário e em que ponto ele passa a ser supérfluo. Depois, repensar a relação que temos com as nossas sobras onde poderemos identificar situações em que uma outra conduta fará enorme diferença no volume de lixo gerado.

Quando fizer compras num supermercado o consumidor pode escolher produtos que venham com menos embalagens ou com embalagens mais resistentes e reutilizáveis. Pode ainda levar os produtos em uma bolsa de compras própria, evitando sacolas plásticas.

No momento da escolha de bens duráveis (fogão, móveis, eletrodomésticos) podemos optar por modelos de melhor qualidade, com garantia, que durem mais reduzindo a necessidade de comprá-las de novo em breve.

De carona na redução do lixo vêm os cuidados com as reduções no consumo de água, energia e combustíveis. Estes cuidados nem sempre estão ligados à questão dos resíduos, mas combinam com a responsabilidade ambiental de todos nós.

O uso racional dos recursos e da nossa lixeira é o mais poderoso protetor do ambiente e da nossa qualidade de vida.

Também não podemos ignorar o desperdício de alimentos. Antes mesmo de se tornar lixo os alimentos desperdiçados já são um problema e uma vergonha nacional. O combate à miséria brasileira é batalha de longa data e sempre se soube que o desperdício no Brasil é imenso, provavelmente capaz de reduzir muito a fome em nosso país.

Reaproveitar:

É dar novo uso a um material que já foi usado, por exemplo, usar uma garrafinha usada para colocar água.Boa parte dos nossos resíduos pode ser reaproveitada de várias maneiras. Assim como na REDUÇÃO basta refletir sobre os materiais que manuseamos no nosso dia-a-dia. Aí surge o uso dos dois lados do papel, a utilização de potes diversos para guardar sobras de alimentos na geladeira, latas que viram porta-lápis e etc. A imaginação não tem limite!

Dentro do REAPROVEITAR também podemos alojar a idéia de trocar objetos com amigos, freqüentar sebos, brechós e a atividade de recuperar de tudo, que além de evitar a produção de lixo, serve para exercitar a criatividade e a habilidade manual.

Reciclar:

Reciclar é transformar de modo artesanal ou industrial um produto usado em um novo produto, igual ou diferente do original. Essa transformação deve ser química e/ou física, daí a diferença do reaproveitamento que não altera a matéria de maneira tão profunda .Os benefícios da reciclagem são muitos: economia de matéria-prima, de energia e de água. Mas as dificuldades não são poucas. Cada material deve ir para uma fábrica diferente, o que demanda um esquema de separação anterior à coleta (que nesse caso tem que ser diferenciada) ou depois da coleta (quando o material sujo perde parte de seu valor de comercialização).

A questão é a seguinte: o nosso lixo pode entrar neste tipo de ciclo, a reciclagem?

Boa parte dele sim. Os chamados recicláveis como plástico, vidro, papel, metais entre outros tantos podem retornar a cadeia produtiva e se transformar em materiais novos prontos para o reuso. Os chamados orgânicos, restos de alimentos, cascas de frutas e vegetais podem virar composto orgânico para uso em hortas e jardins.

O Seco e o Molhado

Mas para facilitar a vida do cidadão vamos separar estes dois tipos de lixo em uma nomeclatura mais simples e correta. Seco para lixos recicláveis e molhados para lixos orgânicos (visto que esses também são naturalmente recicláveis).

A reciclagem oferece várias vantagens para a humanidade e para a natureza. Vamos numerar abaixo algumas:

1- Diminui a quantidade de lixo a ser acondicionada em aterros de lixos, sendo assim, as quantidades de chorume, gás e outros impactos serão menores.

2- Poupa matéria prima que em muitos dos casos é finita.

3- Poupa energia. Na maior parte das vezes a reciclágem gasta menos energia elétrica do que a obtenção do material da natureza.

4- Gera dinheiro de uma área que normalmente gasta dinheiro. Por exemplo, noBrasil, a cada ano são desperdiçados R$ 4,6 bilhões porque não se recicla tudo o que poderia.

Mas como você leitor pode ajudar na tarefa de diminuir mais esse impacto ambiental?

Esta mais perto do que você pensa, esta na sua cozinha, o lugar da casa onde mais produzimos lixo, tanto seco como molhado. Então é importante que se separem estes dois tipos de lixo em sua casa e encaminhe o seco para os ECOPONTOS.

Os Ecopontos

Os ECOPONTOS são caixas coletoras que se destinam somente aos resíduos secos, eles estão presentes em um grande número de praças em Nova Friburgo e a população friburguense tem usado cada vez mais. O lixo captado pelos ECOPONTOS será encaminhado para uma usina de triagem operada por uma Cooperativa de Catadores que vai encaminhar o lixo definitivamente separado para recicladoras que vão devolver o resíduo a cadeia produtiva.

A separação do lixo virou uma realidade obrigatória para o cidadão do século XXI que precisa entender que o futuro do planeta depende de suas ações como cidadão no presente. O passado e o presente industrial e consumista nos deram expectativas sombrias do futuro, por isso todos nós dependemos de você leitor que pode mudar a realidade de seu lixo, limpar a sua cozinha do lixo misturado e ajudar o planeta a ter um futuro sustentável.

Raphael Louredo

Por: ForumSec21