06/05/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

Déficit habitacional no campo é de dois milhões de famílias

O déficit habitacional brasileiro é de mais de 7,5 milhões de moradias. No campo, são cerca de dois milhões de famílias sem casa e dessas 80% têm renda de até 3 salários mínimos. Para que o governo implemente uma política de habitação que diminuía esse déficit, o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) está, hoje (05), mobilizado em 10 estados.

Desde a manhã, agricultores do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Rondônia estão nas ruas protestando. Em Brasília, a movimentação também começou pela manhã, com uma reunião entre representantes do MPA e o vice-presidente da Caixa Econômica Federal.

Pela tarde, houve uma reunião no Ministério das Cidades. Para amanhã e quarta-feira, estão programadas reuniões com a Casa Civil, com o Ministro das Cidades e, novamente, com o vice-presidente da Caixa. A reivindicação dos agricultores é para que o governo aumente o volume de recursos destinado à moradia no campo.

Para esse ano, os recursos liberados não dariam para construir 20 mil casas, enquanto o MPA pede a disponibilidade de recursos para a construção imediata de 200 mil unidades habitacionais. De acordo com a integrante da Direção Nacional do MPA, Maria Costa, é preciso aumentar os subsídios governamentais e diminuir a burocracia.

Além disso, o governo precisa repensar as formas de pagamento, já que todos os financiamentos prevêem parcelas mensais, e, na grande maioria das vezes, o rendimento dos trabalhadores do campo é anual, pois vem com a safra. "Só que trabalha com coentro, cebolinha e leite tem renda mensal, o resto tem renda anual", disse Maria. Assim, a proposta dos trabalhadores é de financiamentos com parcelas semestrais, ou anuais.

A política nacional de habitação deve ainda ser uma "política social estratégica para conter o êxodo rural, manter a juventude no campo e repovoar as comunidades camponesas, aplicando, em escala crescente, tecnologias de bioconstrução", disse o MPA, em nota. Ela tem que mudar as condições de vida no campo e fazer do meio rural um lugar bom para se viver.

O MPA está desenvolvendo projetos experimentais de bioconstrução em todo o país. Com isso, os custos das moradias seriam barateados, além de serem utilizados materiais ecologicamente menos agressivos. São usados materiais encontrados na própria região, o que anula ainda o custo com transporte.

O projeto propõe a troca de cimento queimado por cimento prensado, o uso da permacultura (um sistema de planejamento para a criação de ambientes humanos sustentáveis), a construção de casas de taipa - que permitem uma sensação técnica melhor -, só que com materiais de mais qualidade que os usados nas casas de taipa atuais.

Por: Adital - http://www.adital.com.br/