21/04/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

América Latina se mobiliza para a Semana de Ação Mundial pela Educação

à partir desta semana (21), tem início a Semana de Ação Mundial pela Educação. A Campanha Mundial pela Educação está coordenando atividades em 118 países, que promoverão ações distintas, de acordo com suas especificidades, mas também cumprirão uma agenda comum, para exigir uma "Educação de qualidade para todos: Ponham fim à exclusão, agora!".

As manifestações têm como objetivo mostrar ao mundo que, em pleno século 21, ainda há milhões de crianças, adolescentes e adultos que são privados de seu direito à educação. Os que enfrentam a pobreza, vivem em regiões de conflitos bélicos, são vítimas de preconceitos, seja de raça ou gênero, são afetados pelo trabalho infantil têm o direito à educação ferido mais constantemente.

Nos países latino-americanos, algumas atividades já estão programadas. Na República Dominicana, a busca pela excelência do ensino se fortalece com o incentivo à participação popular na construção de idéias. Nesse sentido, 300 escolas desenvolverão atividades, em que os estudantes elaborarão uma plataforma contra a exclusão. Os próprios estudantes levarão a proposta para o Congresso Nacional.

No Brasil, será apresentado o resultado de uma consulta eletrônica sobre o que é educação de qualidade, e, em Honduras, a Semana começa com uma manifestação na Casa Presidencial.

No dia 23, quando se completa oito anos da Conferência de Dakar (2000), onde foram estabelecidas metas de Educação Para Todos (EPT), a Campanha Mundial pede que os ativistas levem para as escolas o maior número de pessoas, especialmente políticos, autoridades governamentais e personalidades. Elas deverão discutir o tema da exclusão educacional e, ainda, tentar fazer um record de a maior sala de aula do mundo.

A Campanha latino-americana pelo direito à educação (Clade) também participa das mobilizações da Semana de Ações. Assim, entregará ao Relator Especial das Nações Unidas para o Direito à Educação, Vernor Muñoz, um documento com sugestões para a Conferência de Revisão de Durban (2001), que será realizada em 2009. Com as contribuições, a Clade espera chamar atenção para a discriminação étnico-racial como obstáculo para a concretização do direito à educação.

A Clade lançará ainda uma série de entrevistas sobre a exclusão educacional na América Latina. Nelas, os destaques são os grupos que têm seus direitos à educação violados.

Por: