29/03/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

WWF-Brasil defende nascentes no Dia Mundial da Água

Um inflável gigante, de 15 metros de altura, no formato de um tradicional filtro de barro, foi instalado nas Cataratas do Iguaçu, no Paraná, destacando o provérbio chinês “ao beber a água, lembre-se da nascente”. A manifestação teve objetivo de alertar a população e as autoridades para a necessidade de proteção das áreas de cabeceiras no Brasil

O ato marcou o lançamento do Movimento Nascentes do Brasil, conduzido pelo Programa Água para a Vida, do WWF-Brasil, dentro da iniciativa global HSBC Climate Partnership, um programa ambiental do Grupo HSBC desenvolvido para responder às urgentes ameaças das mudanças climáticas em todo mundo.

O Movimento Nascentes do Brasil, que também conta com o apoio da top model Gisele Bünchen e da Grendene, busca mobilizar pessoas comuns, comunidades e governos para ações concretas de proteção de nascentes e cabeceiras, ao mesmo tempo em que conclama a população a refletir sobre a água e seus diversos significados.

A ação contou com o apoio fundamental das equipes do Parque Nacional do Iguaçu, do Parque Nacional Iguazú (Argentina), e da Fundación de la Vida Silvestre – ONG irmã do WWF-Brasil, também da Argentina.

Ação e pressão

O movimento propõe que a população, além de tomar para si o cuidado com as nascentes, pressione os governos por políticas públicas de proteção às nascentes e áreas de cabeceira com base em um modelo de Proposta de Projeto de Lei que está disponível no site do WWF-Brasil (www.wwf.org.br/agua). O modelo foi inspirado no sucesso do Programa Adote uma Nascente, do Governo do Distrito Federal, que foi apoiado pelo WWF-Brasil.

Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza, superintendente de Conservação do WWF-Brasil, destacou a importância de políticas públicas de proteção das florestas. “É importante manter as florestas de pé, já que elas são produtoras de água para a natureza, para a produção e para o consumo humano”, afirmou o Scaramuzza.

Entre outras iniciativas, o WWF-Brasil planeja levar o movimento para o Pantanal, maior área úmida do planeta de enorme biodiversidade e, também, fragilidade em razão do fato de que parte de suas nascentes estão localizadas no Cerrado, que sofre pressão de atividades agropecuárias implementadas sem respeito às boas práticas. Em Brasília, o movimento está apoiando o projeto Salve o Urubu como um projeto demonstrativo de mobilização da comunidade em torno da proteção dos recursos hídricos.

Ação global – Com investimento de U$ 100 milhões e duração de cinco anos, o HSBC Climate Partnership prevê ações em parceria com as ONGs WWF, The Climate Group, Earthwatch Institute e Smithsonian Tropical Research Institute (STRI).

Lançado em maio de 2007, o Climate Partnership está focado em quatro pontos estratégicos: defesa de rios que provém água doce, mitigação do CO2 em grandes metrópoles e pesquisa de biodiversidade em florestas tropicais além do engajamento pessoal para transformação de atitude dos indivíduos em todo mundo.

Iguaçu

Cartão postal do Brasil, em especial do sul do País, as Cataratas do Iguaçu localizam-se na bacia do Rio Iguaçu, que conta com 113 afluentes. O cenário natural foi escolhido para simbolizar o Movimento Nascentes do Brasil em razão de sua grandeza. Seus 275 saltos despejam uma vazão de nada menos que 1.500 m3 de água por segundo. Isto significa que, caso essa água pudesse ser usada para abastecimento, a cada segundo, Iguaçu abasteceria 62,5 famílias por um mês, ou 1.875 famílias por um dia.

Divididas entre Brasil e Argentina, as Cataratas são um Patrimônio Natural da Humanidade, gerido pelos dois países e protegido pelo Parque Nacional do Iguaçu, no Brasil, e Parque Nacional de Iguazu, na Argentina. Esta é uma das poucas áreas remanescentes da Mata Atlântica que cobriam a bacia do Iguaçu.

Por: WWF