21/03/2008 Noticia AnteriorPróxima Noticia

WWF-Brasil promove ato em defesa das nascentes

Um inflável gigante, de 15 metros de altura, no formato de um tradicional filtro de barro, será instalado nas Cataratas do Iguaçu, no Paraná, no dia 22 de março, Dia Mundial da Água, com o provérbio chinês "ao beber a água, lembre-se da nascente".A mensagem tem por objetivo chamar a atenção da população e das autoridades para a necessidade de proteção das áreas de cabeceiras no Brasil, país que tem a responsabilidade de abrigar 13,7% de toda a água doce disponível no planeta.

Trata-se do lançamento do Movimento Nascentes do Brasil, conduzido pelo Programa Água para a Vida, do WWF-Brasil, dentro da iniciativa global HSBC Climate Partnership, um programa ambiental do Grupo HSBC desenvolvido para responder às urgentes ameaças das mudanças climáticas em todo mundo.

O Movimento Nascentes do Brasil, que também conta com o apoio da top model Gisele Bünchen e da Grendene, tem por objetivo mobilizar pessoas comuns, comunidades e governos para ações concretas de proteção de nascentes e cabeceiras, ao mesmo tempo em que conclama a população a refletir sobre a água e seus diversos significados.

A ação deste Dia Mundial do Meio Ambiente conta com o apoio do Parque Nacional do Iguaçu e do Parque Nacional Iguazú (Argentina), e da Fundación de la Vida Silvestre, também da Argentina.

Comunidades em ação

"O foco do WWF-Brasil é mobilizar a sociedade para a proteção dos recursos hídricos frente às ameaças das mudanças climáticas. Se a proteção das áreas de cabeceiras, onde estão as nascentes, já era importante para garantir quantidade e qualidade de água no Brasil, agora torna-se crítica diante dos possíveis impactos do aquecimento global", afirma Denise Hamú, secretária-geral do WWF-Brasil.

Denise Hamú explica que as nascentes são consideradas pelo Código Florestal brasileiro como áreas de preservação permanente (APPs). Além das nascentes, as áreas de cabeceiras são consideradas importantes áreas para conservação de bacias hidrográficas. "São áreas mais sensíveis, que formam os ecossistemas aquáticos e que contribuem com serviços ambientais, como por exemplo, o abastecimento de água para população", acrescenta Hamú.Segundo ela, essas áreas merecem maior atenção por parte dos governos e da sociedade em razão do elevado grau de degradação que esses ambientes vêm sofrendo em várias bacias hidrográficas brasileiras. "Garantir a saúde dos sistemas aquáticos é a melhor forma de manter esse 'filtro natural' para qualidade da água", conclui Denise.

De imediato, o movimento está propondo que a população pressione os governos por políticas públicas de proteção às nascentes e áreas de cabeceira com base em um modelo de Proposta de Projeto de Lei que está disponível no site do WWF-Brasil (www.wwf.org.br/agua).O modelo foi inspirado no sucesso do Programa Adote uma Nascente, do Governo do Distrito Federal, que foi apoiado pelo WWF-Brasil.

Em breve, o WWF-Brasil lançará uma publicação que reúne diversas experiências similares pelo Brasil afora, como a proteção dos mananciais em Minas Gerais, o trabalho nas nascentes da Chapada Diamantina (BA) e outros casos de incentivos a "Pequenos Produtores de Água", como são chamados proprietários rurais que tomam para si a tarefa de proteger suas nascentes.

"Grupos organizados estão convidados a engajar-se neste movimento", explica Carlos Alberto de Mattos Scaramuzza, superintendente de Conservação e Programas Temáticos do WWF-Brasil."A diferença de estratégia desta iniciativa reside em criar laços próximos entre as pessoas e a água. Queremos que as pessoas reflitam sobre os recursos hídricos e os compreendam de forma integrada e não apenas utilitária", conclui Scaramuzza.

Entre outras iniciativas, o WWF-Brasil planeja levar o movimento para o Pantanal, maior área úmida do planeta de enorme biodiversidade e, também, fragilidade em razão do fato de que parte de suas nascentes estão localizadas no Cerrado, que sofre pressão de atividades agropecuárias implementadas sem respeito às boas práticas.Em Brasília, o movimento está apoiando o projeto Salve o Urubu como um projeto demonstrativo de mobilização da comunidade em torno da proteção dos recursos hídricos.

Por: WWF Brasil